Larissa Oliveira vence concurso Deusa do Ébano 2016

Música, No Circuito
17 de janeiro de 2016
por Genilson Coutinho
Larissa ganhou a torcida do público após sua apresentação individual de dança afro

Larissa ganhou a torcida do público após sua apresentação individual de dança afro

Diante de uma produção impecável e olhares atentos, o nome da escolhida para desfilar o título de Deusa do Ébano 2016 foi finalmente conhecido, na noite de ontem (16), durante cerimônia realizada na Senzala do Barro Preto, sede do bloco Ilê Aiyê. Com grande apelo do público, que vibrou fortemente com a apresentação individual da moça, a candidata Larissa Oliveira foi a grande vencedora da 37ª edição da Noite da Beleza Negra.

A antecessora de Larissa, Alexandra Amorim, não escondeu a felicidade em poder participar de um momento tão simbólico para a entidade e ver uma nova Rainha do Ilê surgir, com toda graça, simpatia, ritmo e, acima de tudo, a força da identidade do bloco afro. “É engraçado que a ansiedade que sinto agora é tão grande como a que senti quando estava concorrendo, pois a gente acaba ficando na expectativa de saber para quem vai passar o reinado”, comentou a Deusa de 2015.

A cerimônia, que teve a apresentação primorosa de Arany Santana e Sandro Teles, com a supervisão do presidente do bloco, Vovô, começou com a entrada emocionante das 15 finalistas, com figurino de amarrações assinado pela estilista do Ilê Aiyê, Dete Lima, sob o som da Band’aiyê, que não a toa escolheu para o momento a canção que se inspira na simbologia do título de Deusa do Ébano, que todas elas ali, belamente e tipicamente trajadas, estavam disputando.

Antes disso, na Ladeira do Curuzu, abriu a programação do evento a apresentação da Chegança de Saubara, grupo representativo do Recôncavo Baiano, numa alusão ao tema do Carnaval do Ilê Aiyê em 2016: “O Recôncavo é Afrodescendente”. Numa homenagem aos 100 anos do samba, a noite seguiu cheia de boas surpresas, com as luxuosas participações de nomes como Regina Casé, Luiz Miranda, Roberto Mendes, Raimundo Sodré, Nelson Rufino, Ana Mametto e Carla Visi.

Intercalando com as apresentações dos artistas convidados, cada uma das 15 finalistas teve o momento de destaque no palco da Noite da Beleza Negra e, trajando vestimentas desenhadas especialmente para a festa, puderam mostrar, para uma plateia lotada, atenta e empolgada, a imponência e graciosidade da dança afro. A força dessa dança que enche os olhos pela sua estética e gestual expressivo, também ganhou destaque com apresentação do Grupo de Dança do Ilê Aiyê, que mostrou coreografia homenageando o Recôncavo Baiano, assinada pela coreógrafa Amélia Conrado e supervisão de Dete Lima

A música, a dança e o figurino da 37ª Noite da Beleza Negra, que teve direção artística de Elísio Lopes Jr, já seriam suficientes para deixar o público agradecido por um evento de tanta beleza, mas outras linguagens ainda enriqueceram a festa, como encenação feita pelo ator Luis Miranda ao apresentar uma releitura da canção Reconvexo, de Caetano Veloso. Já Regina Casé, sob o ritmo e compasso de Roberto Mendes, sambou miudinho, recitou um belo cordel e não deixou de declarar, mais uma vez, o amor que sente pela Bahia e por Salvador. “Eu estou aqui para oferecer meu carioca coração e, principalmente, para agradecer”, desabafou, emocionada, a atriz e apresentadora.

O resultado do maior concurso de beleza negra do Brasil foi anunciado após aplaudida apresentação da Band’aiyê, que mostrou as grandes canções que contam a trajetória do Ilê na voz dos seus quatro vocalistas: Iana Marucha, Iracema Kilyane, Marcos Costa, Jauncy Ojum Bará. Diante de grande expectativa do público, primeiro foram anunciadas a vencedoras aos títulos de princesas, que cabem ao segundo e terceiro lugares.

A primeira a ser chamada no palco foi a estudante Cecília da Silva Santos, 25 anos, que celebrou o terceiro lugar e o prêmio de R$2 mil. Em seguida, foi a vez da secretária executiva Daniele Nobre, 30 anos, que levou o segundo lugar e prêmio de R$3 mil. Só então Larissa Oliveira, diante de uma platéia entusiasmada que gritava seu nome, foi chamada ao palco para receber de Vovô o título de Rainha do Ilê 2016 e o prêmio de R$ 3,6 mil.

“Estou feliz demais e agora o meu desejo é poder representar o Ilê, durante todo o ano, com todo carisma, simpatia, suingue, sorriso estampado no rosto e muita dança”, disse emocionada.

O encerramento da cerimônia ficou por conta da dupla baiana vencedora da segunda edição do reality show musical Superstar, Lucas e Orelha.