Espetáculo Curral Grande retrata realidade dos campos de concentração durante a seca no Ceará

No Circuito, Teatro
18 de julho de 2017
por Genilson Coutinho

Curral Grande - por Marília Cabral I_Menor

CAIXA Cultural Salvador apresenta, de 28 a 30 de julho de 2017, o espetáculo teatral Curral Grande, do Coletivo Ponto Zero. Dirigida por Eduardo Machado, a montagem é baseada na obra do pesquisador e dramaturgo Marcos Barbosa e circula pelo País desde 2014, arrematando vários prêmios.

A peça mostra a graça e a miséria de um povo que sofreu e vem sofrendo com os processos de higienização social presentes na história do Brasil. A encenação se utiliza de ares das décadas passadas, do cinema mudo e da rádio novela, elemento de forte presença na década de 30, permeando divertidamente as oito cenas independentes que relatam a história dos “Currais do Governo” nos campos de concentração durante a seca no Ceará.

O espetáculo é composto por cenas independentes, porém correlacionadas, que apresentam diversas facetas da história – através de personagens que moram em uma casa simples no meio do sertão, também uma família abastada da capital Fortaleza, assim como na cúpula do Governo até chegar, de fato, aos campos de concentração.

São quatro atores: Brisa Rodrigues, Brunna Scavuzzi, Carlos Darzé e Lucas Lacerda, que se revezam em mais de quarenta personagens, estabelecendo um “jogo” com formas estéticas diferentes: da construção realista à caricatura, do teatro épico narrativo à contação de história. A encenação faz referência também ao século passado, utilizando técnicas da rádio novela e do cinema mudo. O figurino base, por exemplo, remete às roupas íntimas da década de 30 e são sobrepostas pela roupagem específica de cada cena.

Segundo o autor da obra, Marcos Barbosa, “para aprofundar-se na história do país e em todos os seus entraves sociopolíticos é preciso não temer mergulhar na lama”. O trecho faz parte de sua dissertação, uma pesquisa que culminou na peça, escrita em 2003 pelo dramaturgo, junto ao Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFBA. “Há histórias que precisam ser lembradas. Não tenho a pretensão de dizer que precisamos lembrar delas para não as repetir. É preciso lembrar delas, justamente, para atentarmos ao fato de que as temos repetido”, explica Barbosa. “É uma peça sobre viver. Sobreviver é preciso. No meio de tantas contradições, o Ponto Zero foi o (re)encontro com nossa história, que parece que só se repete”, complementa o diretor Eduardo Machado.

Premiações e indicações: Desde 2014 o espetáculo circula pelo Brasil, em 2016, participou do FIT Lauro de Freitas (BA), levando para casa os prêmios de Melhor Espetáculo, Melhor Direção e Melhor atriz coadjuvante (Brisa Rodrigues). Além disso, foi indicado como Melhor Texto, Melhor Cenário, Melhor ator (Carlos Darzé), Melhor atriz (Brunna Scavuzzi), Melhor ator coadjuvante (Carlos Darzé e Lucas Lacerda). No mesmo ano, no 13º Festival Nacional de Teatro de Duque de Caxias (RJ), ganhou os títulos de 2º Melhor Espetáculo, Melhor Direção, Melhor atriz coadjuvante (Brisa Rodrigues) e Melhor Ator (Lucas Lacerda); assim como as indicações de Melhor Texto Original, Melhor Iluminação, Melhor atriz (Brunna Scavuzzi).

No final de 2016, participou do 44º Festival Nacional de Teatro de Ponta Grossa (PR), arrematando o prêmio de Melhor atriz coadjuvante (Brisa Rodrigues); e melhor Trilha Sonora, após se apresentar no 20º Festival de Teatro do Rio de Janeiro (RJ).

Sobre o Coletivo Ponto Zero: Nascido em 2011 na Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia, o Coletivo Ponto Zero é um coletivo de atores baianos residentes no Rio de Janeiro e que estreou seu primeiro espetáculo, Curral Grande, em agosto de 2014. Foi ainda na UFBA que o Coletivo teve o seu primeiro contato com o dramaturgo Marcos Barbosa e com o diretor Eduardo Machado, convidado para emprestar o seu olhar sensível à peça. Em seu terceiro ano em circulação, Curral Grande vem contribuindo para a consolidação deste jovem coletivo de artistas que tem por objetivo a pesquisa prática no trabalho do ator e que visa a contribuir com a arte e cultura do país.

Oficina

Além da peça, o grupo realiza, ainda, uma oficina gratuita com o tema Do Jogo à Criação Coletiva. A oficina destina-se a pessoas a partir de 15 anos que queiram mergulhar no universo teatral em busca de conhecimento do seu próprio instrumento motor: o corpo. Serão explorados e trabalhados os pontos de consciência corporal, prontidão, técnicas básicas de improvisação e auto-percepção. Para isso, os componentes do grupo vão utilizar jogos e situações cênicas artificiais como mote para a exploração e criação cênicas.

Para se inscrever, os candidatos devem enviar um e-mail para guaxe@guaxe.com.br, entre os dias 20 e 25 de julho. Ao todo, serão 15 selecionados, que serão comunicados por e-mail, até o dia 27 de julho.

Serviço:

Teatro: Curral Grande

Local: CAIXA Cultural Salvador

Endereço: Av. Carlos Gomes, 57, Centro

Data: 28 a 30 de julho de 2017

Horários: sexta às 20h, sábado às 18h e 20h e domingo às 19h

Duração: 70min

Classificação indicativa: 16 anos

Ingressos:  R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia)

Vendas a partir do dia 28/07, a partir das 9h, na bilheteria do local

Conveniência: Estacionamento gratuito ao lado 

 

Oficina: Do jogo à criação coletiva

Data: 30 de julho de 2017

Horário: 14h às 17h

Inscrição: através do e-mail guaxe@guaxe.com.br, entre os dias 20 e 25 de julho

Classificação indicativa: 15 anos

 

Informações gerais | Bilheteria da CAIXA Cultural Salvador:
(71) 3421-4200