Embaixadora brasileira discute com Jean Wyllys em painel da ONU

Slider
16 de março de 2019
por Genilson Coutinho

Um evento na ONU, em Genebra, teve uma intensa discussão entre Maria Nazareth Farani Azevedo, embaixadora do Brasil, após se recusar a escutar uma resposta do ex-deputado Jean Wyllys (PSOL). As informações são do jornalista Jamil Chade, do UOL.

 Jean Wyllys, convidado para falar em um debate sobre o populismo no mundo, comentou sobre uma suposta relação entre o crime organizado e o governo brasileiro, usando o assassinato da vereadora Marielle Franco como exemplo. “Novos autoritarismos, como o do Brasil, continuam elegendo inimigos internos da nação por meio da difamação e constituindo grupos para culpa-los pelos problemas econômicos”, afirmou o ex-parlamentar que saiu do Brasil após sofrer ameaças de morte.

Maria Nazareth Farani Azevedo, embaixadora do Brasil na ONU, não estava na sala no momento deste discurso, segundo Jamil Chade, e não esteve em nenhum dos eventos organizados para tratar da situação no Brasil. Nesta sexta-feira (15), de acordo com o jornalista, ela entrou no local após o evento começar e chegou a intervir no meio das falas dos demais membros do painel de debate.

Ao se aproximar do fim do evento, a embaixadora pediu a palavra para a moderadora. “Bolsonaro não abandonou o Brasil, mesmo depois de ter levado uma tentativa real de tirar sua vida”, afirmou Maria Nazareth.

A embaixadora já representou governos passados, mas fez comentários negativos sobre os mesmos em sua fala. “Não é um criminoso e seu governo não é uma organização criminosa”, disse sobre o presidente Jair Bolsonaro.