Cia Baiana de Patifaria retorna com Noviças Rebeldes dia 12 de agosto

No Circuito, Teatro
1 de agosto de 2017
por Genilson Coutinho

Foto: Genilson Coutinho

Desde janeiro de 2017, a Cia Baiana de Patifaria iniciou as comemorações de seus 30 anos nos palcos com um teatro de repertório que soma oito espetáculos (Abafabanca, A Bofetada, Noviças Rebeldes, 3 em 1, A Vaca Lelé, Capitães da Areia, Siricotico uma comédia do balacobaco e Fora da Ordem).

Com direção de Wolf Maya, diretor de TV e um importante nome do teatro musical no Brasil, Noviças Rebeldes, um dos maiores sucessos na trajetória da trupe, volta aos palcos em nova montagem dia 12 de agosto 2017 no Teatro ISBA, em Salvador. Traduzido por Flávio Marinho, o musical fica em cartaz todos sábados e domingos de agosto, ás 20h.

Com mais de 5.000 montagens em 53 países e 26 diferentes idiomas, a Noviças Rebeldes da versão da Cia Baiana de Patifaria é a primeira montagem mundial com elenco totalmente masculino. Em mais de cinco anos de sucesso pelo Brasil e duas semanas de temporada em Nova Iorque em 1997, a Cia Baiana de Patifaria realizou mais de 600 apresentações de Noviças Rebeldes e conquistou plateias que somam mais de 350.000 espectadores.

Enredo

Noviças Rebeldes, versão brasileira para o texto Nunsense do americano Dan Goggin, conta a estória de 5 freirinhas que saíram da Irmandade de Salue Marie para jogar bingo com irmãs de um outro convento. As 52 outras freiras que ficaram morrem vítimas de botulismo, ao tomarem uma sopa feita pela cozinheira da Irmandade com legumes enlatados vencidos.

Ao retornarem da noite de bingo, as cinco freiras sobreviventes descobrem que o caixa da Irmandade foi desfalcado com a compra de um Iphone 7Plus pela Madre e que só dispõem de recursos para o funeral de 48 delas, deixando as outras num freezer. Decidem, então, realizar um show beneficente para arrecadar dinheiro e enterrar as quatro restantes.

São inúmeros os imprevistos num espetáculo repleto de diversão e belo visual com coreografias que vão do balé clássico ao sapateado e uma trilha que reúne ritmos como o baião, chorinho, axé e o funk, embalando as estórias de cada uma das cinco freiras super stars.

O diretor Wolf Maya e o elenco Foto: Genilson Coutinho

Temporadas

A primeira versão da Cia Baiana Patifaria para o musical da Broadway NUNSENSE, do americano Dan Goggin, estreou em 1995 e viajou até 1998 por quase 30 cidades do país, incluindo longas temporadas em São Paulo e Rio de Janeiro. Em 1997, a convite do autor, a Cia Baiana apresentou suas Noviças Rebeldes, por 2 semanas no St Clement Theatre, no circuito off Broadwayem Nova Iorque, tendo recebido comentários no New York Times e revistas especializadas.

Em 2005, Wolf Maya e a trupe se reencontraram para uma nova montagem que celebrou os 10 anos de sucesso desde o seu lançamento. Na celebração de três décadas da Cia Baiana de Patifaria, o diretor Wolf Maya desembarcará duas vezes em Salvador, antes da estreia em agosto, para maratonas de ensaios, após o elenco ter se preparado com aulas de balé clássico, canto, sapateado e coreografias.

O espetáculo homenageia ainda o diretor musical das duas primeiras temporadas, Sérgio Souto, já falecido. “Convidamos a Manuela Rodrigues, que se guiou no trabalho dele para fazer toda a nossa preparação vocal”, explica o patife Lelo Filho. O elenco conta com o quarteto que atualmente está em cena com A BOFETADA: Lelo Filho, Mário Bezerra, Marcos Barretto e Rodrigo Villa. O quinto ator, Lázaro Reinaldo, que dará vida a Irmã Frida, foi escolhido numa audição, em que seis intérpretes participaram.

Lázaro conta que recebeu a ligação do ator Marcos Barretto perguntando se ele toparia fazer o teste e, logo depois, a de Lelo Filho para falar sobre a audição. “Tive uma semana para ensaiar o texto e a música da seleção. Foram sete dias bastante especiais e tensos para mim e meus vizinhos”, lembra Lázaro Reinaldo, ao acrescentar que (risos) devido aos constantes ensaios recebeu alguns avisos da síndica do prédio onde mora.

Ele recorda que, apesar da tensão antes da audição, o elenco da Cia Baiana de Patifaria passou muita tranquilidade. “Recebi o resultado da aprovação na mesma noite e no dia seguinte já começamos a ensaiar para valer. Tem sido uma experiência fantástica e única. Eu só posso agradecer ao universo, a Marquinhos por me indicar e a Lelo pela oportunidade”, declara emocionado o ator, que faz teatro há apenas 2 anos.

Ele destaca que a experiência tem proporcionado aprendizagens diárias, como profissional e como pessoa. “Além dos colegas de cena, tenho tido a chance de trabalhar com Wolf Maya, que tem uma direção precisa, objetiva e fluída. Ele conhece todas as nuances da peça e de cada personagem. É nítido nos ensaios que todos os personagens ganhavam alma depois dos toques dele. Um mestre. Foram ensaios divertidíssimos, regados a gargalhadas”, pontua.

Quanta a personagem Frida, Lázaro fala que ela é a definição da religiosidade. “Não haveria outra coisa pra Frida ser na vida, a não ser freira. E ela ama ser freira. Mas ao mesmo tempo, ela é muito espontânea. Ela fala o que vem à mente e não tem papas na língua. Frida é a primeira personagem feminina que interpreto e Noviças Rebeldes minha primeira comédia”, realça.

Outro novato na Cia Baiana de Patifaria é o ator Rodrigo Villa, que fala ser um sonho a oportunidade de fazer parte de uma das companhias de teatro mais importantes e respeitadas da Bahia e do Brasil. “Entrei na companhia para fazer A bofetada e tenho aprendido muito e aproveitado cada segundo como se fosse o último. Ser um patife me deu o status de ator profissional e me trouxe visibilidade e até convites para outros trabalhos”        .

Quando ao musical Noviças Rebeldes, ele fala que é o espetáculo que mais exigiu dele o trabalho de ator. “Estou trabalhando todos os aspectos possíveis: canto, ballet, sapateado. Tudo com a ajuda de grandes profissionais e que literalmente transformaram meu corpo. Interpreto a irmã Léo, que é a única noviça de fato neste convento louco e que sonha ser bailarina. Foi bastante doloroso trazer o ballet, a feminilidade e delicadeza que essa personagem precisa”

Mário Bezerra, que entrou em 2014 na Cia para fazer Abafabanca. Logo depois, A bofetada. Agora, Noviças Rebeldes. “Digamos que eu fiz a graduação com Abafabanca, mestrado com A Bofetada. Chego ao doutorado em Patifaria com Noviças Rebeldes. Hoje, me sinto muito mais à vontade com o estilo de comédia do grupo que trouxe a estética do besteirol para um “método” muito particular de comédia”.

Bezerra fala que no primeiro contato com Wolf Maya foi uma mistura de ansiedade e nervosismo. “É a primeira vez também que sou dirigido por um profissional do quilate dele. No ensaio que apresentamos para ele, eu estava muito nervoso, mas, no dia seguinte, ele decupou cena por cena, dirigiu cirurgicamente cada parte do espetáculo, o que me deixou muito tranquilo. Foi uma aula, pois ele é um mestre mesmo”.

Quanto aos ensaios, “têm sido muito intensos”. “Quando percebemos o progresso acontecendo, as vozes ficando cada vez melhores, as personagens cada vez mais construídas e matizadas, a recompensa pelo trabalho vale muito a pena”, diz o ator, que interpreta Gardênia, a Madre Superiora do convento, uma “mulher vaidosa pra caramba e que sente muito prazer em subjugar as outras irmãs do convento”.

Já o ator Marcos Barretto declara ser fantástico trabalhar com Wolf Maya. “O olhar dele para cena é contagiante. A maneira que conduz e toda capacidade de dirigir uma trama nos seus mínimos detalhes. Para mim enquanto ator é uma oportunidade imensa mergulhar na criação e na mente fervilhante dele junto com todos meus colegas de cena”, exclama.

Produção

Mila Cordeiro | Ag. A TARDE

O patife Lelo Filho, criador da Cia Baiana de Patifaria, é só elogios aos atores de Noviças Rebeldes. “Esse elenco topou dois grandes desafios: montar um espetáculo musical tão caro sem patrocínio e em tão pouco tempo. Eles foram e estão sendo guerreiros. Adequar o humor da Cia e do texto a números incríveis de coreografias e a uma partitura musical que foi composta originalmente para vozes femininas é tarefa gigante e trabalhosa”.

“O que falar do elenco?”. Essa é a pergunta que Lelo Filho se fez quando entrevistado sobre a atual composição dos atores. “A Cia Baiana de Patifaria tem tido profissionais maravilhosos ao longo de seus 30 anos nos palcos e, dessa vez, conta com uma de suas melhores formações de atores. Uma química em cena muito boa e afinada para o que um musical exige”, realça.

Com o quinteto formado, os trabalhos em sala de ensaio começaram e, num período de dois meses, o elenco tem contado com o suporte de profissional envolvidos na produção, entre aulas de canto e assistência de direção musical (Manuela Rodrigues), assistência de coreografias (Robson Correia), sapateado (Cibele Brandão) e balé clássico (Raimundo Simões).

Serviço

O quê: Noviças Rebeldes – Cia Baiana de Patifaria

Onde: Teatro ISBA – Av. Oceânica, 2717 – Ondina (71 4009-3622)

Quando: 12 de agosto a 10 de setembro, sábados e domingos, às 20h

Ingressos: Valor da inteira: R$ 60,00/meia: R$ 30,00 – a bilheteria funciona de terça a quinta, das 14h às 19h, e de sexta a domingo, de 15h às 20h.

Recomendação etária: 14 anos

Elas já estão no giro por Salvador ; confira 

Elas estão chegando: "ESPALHEM A NOTÍCIA!! A BOFETADA sai de cena dia 5 de agosto em Camaçari e dia 12 de agosto as freirinhas de Salue Marie abrem as portas do convento! A comédia musical NOVIÇAS REBELDES, mais um sucesso da Cia Baiana de Patifaria, com texto original de Dan Goggin, tradução de Flávio Marinho e direção de Wolf Maya, estará de volta no palco do Teatro ISBA! E você pode ajudar na produção de NOVIÇAS REBELDES. Veja como no link https://www.kickante.com.br/…/novicas-rebeldes-teatro-music… Ou se quiser, você pode colaborar diretamente através de depósito bancário Banco Bradesco (237) Ag: 3650-1. C/C: 483-9 Titular: Teatro de Comédia Produções Artística LTDA. CNPJ:00.352.207/0001-25. Mais informações: +55 71 3264-7776 O vídeo é do talentosíssimo @dedecomacedo

A post shared by Dois Terços (@doistercos) on