25% dos casos de infertilidade são causados por Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)

Comportamento, Social
12 de fevereiro de 2020
por Genilson Coutinho

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 25% dos casos de infertilidade são causados pelas Doenças Sexualmente Transmissíveis. As DST’s podem causar danos no aparelho reprodutor nos dois sexos, levando à infertilidade. Nas mulheres, por exemplo, podem provocar obstrução das trompas, impedindo a gravidez pelo processo natural ou causando a gravidez ectópica (gravidez nas trompas). Nos homens, a gonorreia e a clamídia são capazes de causar obstrução dos canais por onde transitam os espermatozoides – os condutos deferentes.  “O uso do preservativo em todas as relações sexuais continua sendo uma das principais formas de prevenção contra as Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) ”, orienta a ginecologista Gérsia Viana, especialista em medicina reprodutiva e diretora da Insemina Centro de Reprodução Humana..  

Um levantamento da OMS também estima que a cada dia são registrados mais de 1 milhão de casos de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) no mundo. No Brasil, a incidência dessas doenças em jovens tem avançado consideravelmente nos últimos anos. “Os jovens estão deixando de usar camisinha e esse comportamento de risco é um dos grandes responsáveis pela alta incidência das (IST) ”, explica a médica. “Um jovem que contrai uma DST no início da sua vida sexual pode ter que conviver com sequelas para o resto da vida”, acrescenta.  Segundo dadosdo Ministério da Saúde 56,6% dos brasileiros entre 15 e 24 anos usam camisinha com parceiros eventuais. Além de ser fundamental para evitar a gravidez indesejada, o sexo seguro previne as (IST) e suas complicações.

Além de estarem entre as principais causas da infertilidade, as Doenças Sexualmente Transmissiveis podem desencadear outras complicações sérias como aborto, problemas neurológicos, doenças cardiovasculares,  doenças neonatais e até mesmo o câncer do colo do útero devido à infecção persistente por alguns tipos de HPV, podendo levar à morte.

Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)

Grave problema de saúde pública, as (IST) são transmitidas, principalmente, por contato sexual sem proteção com uma pessoa que esteja infectada e são causadas por vários agentes etiológicos (infecciosos) como vírus, fungos, protozoários e bactérias. A transmissão também pode acontecer de mãe para o bebê durante a gravidez ou o parto;  através do compartilhamento de agulhas e seringas e nas transfusões de sangue.A gonorreia, a clamídia, o  HPV, a tricomoníase, a sífilis, cancro mole, herpes genital, hepatite B e a Aids são as (IST) mais conhecidas.  O Papilomavírus Humano (HPV) é considerado uma das doenças sexualmente transmissíveis de maior incidência no mundo.

Dor pélvica, corrimento, feridas (úlceras) dolorosas ou não, verrugas e bolhas nos órgãos genitais, secreção, inchaço, mau cheiro, ardência ou coceira, principalmente, no ato de urinar ou durante as relações sexuais podem ser sinais de (IST) . Ao notar algum um desses sintomas ou perceber alguma lesão na área genital, é fundamental procurar imediatamente o médico e fazer com que o parceiro faça o mesmo. “Quando há o diagnóstico de (IST) , o tratamento deve ser realizado, simultaneamente, pelos parceiros. Quando isso não acontece, o problema pode persistir e evoluir, causando complicações graves à saúde”, adverte a especialista.

Quando não são tratadas, essas infecções decorrentes das (IST) podem causar danos irreversíveis ao aparelho reprodutor. A maioria das (IST) tem cura, mas um dos agravantes dessas doenças é que, muitas vezes, elas não se manifestam ou só apresentam sintomas quando já estão em estado mais avançado e podem causar danos maiores.

Prevenção

Além do uso do preservativo nas relações sexuais, a especialista lembra sobre a importância de se evitar comportamentos de risco. “Quanto mais parceiros, maior o risco de exposição aos agentes causadores das DST’s”, adverte a médica Gérsia Viana.  A camisinha é uma das principais formas de prevenção, mas não é a única. Adotar um comportamento sexualmente responsável minimiza os riscos de ser infectado por uma (IST) . Evitar ter relações com múltiplos parceiros, não ter contato sexual com pessoas desconhecidas e sob efeito de álcool e drogas, observar sinais de (IST) no parceiro (lesões, bolhas, mau cheiro, verrugas, secreções) e não ter relação sexual caso, qualquer um dos dois, esteja com alguma infecção nos órgãos genitais. .  

A avaliação ginecológica periódica, uma vez que essas doenças também podem evoluir de forma assintomática, e a vacina contra HPV são outras medidas importantes no controle e prevenção das (IST) .

 Sobre a Insemina

Fundada em 2015, a Insemina Centro de Reprodução Humanaé uma clínica especializada em reprodução assistida, que disponibiliza atendimento mais acessível e adequado à realidade da região. A clínica conta com uma equipe médica experiente e altamente qualificada. Além dos tratamentos especializados de reprodução assistida, várias técnicas, exames e procedimentos como histeroscopia, diagnóstico pré-implantacional (PGD), preservação da fertilidade (por meio de congelamento de óvulos, embriões e espermatozoides), realização de exames de espermograma, dosagem de hormônio antiMulleriano e outros são realizados, graças a parceria da Insemina com clínicas de referência na Bahia e no Brasil.

Em Salvador, a clínica atua em parceria com o Cenafert (Centro de Medicina Reprodutiva), onde os procedimentos de Reprodução Assistida, como Fertilização In Vitro (FIV) e Inseminação Intrauterina, são realizados contando com as técnicas mais atuais e seguras e equipamentos de última geração.

Localizada no Comércio, a Insemina conta com consultórios e sala de ultrassom e funciona na Rua Miguel Calmon, nº 40, Edifício Conde dos Arcos, salas 102 e 103. Telefone (71) 3012-3010.

Deixe seu comentário

Sem comentários, seja o primeiro.