Vítima de LGBTfobia no CCBB do Rio reconhece suspeito

Notícias
3 de janeiro de 2017
por Genilson Coutinho

Uma das  jovens que foram vítimas de homofobia no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) registrou queixa contra seu agressor na tarde desta terça-feira (3), na 1ª DP (Praça Mauá). Ela fez o reconhecimento do suspeito por fotos obtidas pela polícia em uma rede social. Ainda muito abalada com o episódio, a jovem de 20 anos não quis falar com a imprensa.

De acordo com o coordenador do programa Rio Sem Homofobia, Cláudio Nascimento, o rapaz, que foi identificado pela polícia na noite de segunda-feira (2), será indiciado pelos crimes de constrangimento ilegal e injúria.

“Após registrar a ocorrência, ela vai continuar recebendo nosso apoio jurídico e psicológico. A companheira dela está tão desconfortável com a situação que não quis vir registrar a ocorrência. Mas ainda espero que, após ver que a companheira foi bem tratada na delegacia, ela se anime a fazer o registro”, afirmou Nascimento.

O coordenador do Rio Sem Homofobia disse também que a jovem já havia passado por outros episódios de discriminação, mas que pela primeira vez decidiu tornar o caso público, por ter acontecido em um lugar onde ela, em princípio, se sentia segura e livre desse tipo de comportamento.

“Por isso faremos uma reunião com o diretor do CCBB para discutir medidas que melhorem o tratamento dado à população LGBT. A instituição não deve servir apenas para consumo de cultura, mas também como difusora de valores culturais”, explicou Nascimento.

Ele ainda criticou a forma como o caso foi conduzido pelo centro cultural: “Elas não foram agredidas fisicamente, mas é esse o limite? A segurança só age se houver agressão física? Não pode ser assim”.

Funcionária demitida

Na noite de segunda-feira (2), o Centro Cultural Banco do Brasil do Rio anunciou que demitiu uma funcionária acusada por uma mulher de homofobia, dentro das dependências da instituição na última sexta-feira (30). Em uma publicação na página do CCBB no Facebook, o centro cultural informou que fez o registro da ocorrência na delegacia por discriminação.

CCBB do Rio divulga nota em repúdio a caso de homofobia