Vereadora diz que projeto ‘Parada Gay’ vai proliferar doenças

Comportamento, Social
27 de maio de 2014
por Genilson Coutinho

miriam_reis

Durante a sessão desta terça-feira (27) na Câmara de Boa Vista que discutiu a inclusão da Parada do Orgulho Gay e da Consciência Homossexual no calendário oficial do município, a vereadora Mirian Reis (PHS), que é contra a aprovação da matéria, afirmou que o evento vai proliferar o homossexualismo e as doenças em Boa Vista.

O projeto que inclui a Parada Gay no calendário é de autoria do vereador Júlio Cezar (PRP) e já foi aprovado em primeira votação com dez votos a favor e dois contra. A sessão desta terça-feira seria para a segunda votação, mas não houve sessão por falta de quórum, porque apenas dez dos 21 vereadores compareceram à Casa.

“Eu acredito que o projeto vai ser arquivado, porque o nosso Deus vai nos dar autonomia, vai nos dar autoridade, capacidade e sabedoria para mostrar a eles que esse dia só vai fazer proliferar o homossexualismo na face da terra e em Boa Vista. Não é isso que nos queremos, porque o homossexualismo vai trazer doenças, infelicidade para as famílias, dores, tristeza, angústia”, disse.

Ainda segundo Mirian, os homossexuais necessitam de amor, carinho e precisam retornar à ordem natural da família. “Nós jamais poderemos aceitar filhos sendo criados por dois homens ou por duas mulheres. Isso é contra a palavra de Deus”, completou Mirian que entregou um abaixo-assinado com mais de 600 assinaturas à Câmara. O documento pede por uma audiência pública para a discussão da matéria.

Para o presidente da Associação Roraimense pela Diversidade Sexual, Sebastião Diniz, as afirmações da vereadora são ofensivas e incitam a violência contra os homossexuais.
“Registrei um Boletim de Ocorrência contra a Mirian Reis e mais dois vereadores que nos ofenderam durante a sessão. Também procurarei a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Roraima, porque eu acredito que esses políticos não estão defendendo os interesses do povo, mas apenas os ideais dos evangélicos”, alegou.
Projeto

De acordo com o vereador Júlio Cézar, a inclusão da data no calendário é um movimento social que merece a consideração da sociedade. “Esse projeto nada mais é do que passar a Parada que já existe desde 2003 para o calendário do município. Já me perguntaram se vai ter dinheiro público para o evento, mas isso não existe. É só questão de reconhecimento de que existe uma classe de pessoas que faz brilhar essa sociedade. É um movimento social”, acrescentou o vereador.

O projeto deverá entrar novamente em segunda votação nesta quarta-feira (28). Se aprovado, será encaminhado ao Executivo Municipal, que poderá sancionar ou vetar a proposta.

G1