Notícias

‘Vamos fortalecer essas vozes e essas expressões no nosso estado’, afirma Wesley Francisco secretário LGBTQIA+ do PT Bahia

Genilson Coutinho,
23/12/2021 | 20h12
Wesley Francisco, secretário LGBT do PT Bahia

*Carlos Augusto

Reeleito secretário estadual do setorial LGBT do Partido dos Trabalhadores da Bahia, Wesley Francisco, de 46 anos, tem como objetivo ampliar o número de candidaturas LGBTQIA+ na eleição de 2002 no estado. No ano passado, o Partido na Bahia conseguiu lançar 50 candidaturas LGBTQIA+ na Bahia, tendo duas pessoas eleitas, uma em Casa Nova e outra em Senhor do Bonfim. “Vamos fortalecer essas vozes e essas expressões no nosso estado”, afirma o secretário reeleito que também lista também outras prioridades.

“Nós vivemos em tempo de fascismo, de totalitarismo e de perseguição às minorias dissidentes, principalmente as minorias sexuais. E nós precisamos reverter essa situação, elegendo Lula presidente e aqui no estado impulsionar o nosso projeto político reelegendo Jaques Wagner, ampliar a participação LGBTQIA+ no governo, ampliar as ações que estão sendo desenvolvidas pelas nossas últimas gestões e eleger grandes bancadas de deputados federais e estaduais, principalmente fazendo formação política com nossos membros, mas também levando para essas candidaturas a necessidade de defender a pauta LGBTQIA+ também nos parlamentos”, destacou.

O caminho para alcançar efetivamente essas ações já vem sendo pavimentado desde a gestão passada da Secretaria, compartilhada com outros três membros da Executiva Estadual. “Buscamos trabalhar com a questão do fortalecimento da nossa unidade interna, respeitando todas as pessoas que faziam parte para a gente trabalhar de forma unificada visando a eleição de 2020, fazendo formação política, programas na TV PT para poder dar visibilidade às candidaturas, principalmente em tempo de pandemia, e buscamos junto ao PT Nacional e ao Fundo Partidário ajuda para as candidaturas”.

Para o próximo ano, a Secretaria LBGT já tem o planejamento atual marcado para o dia 22 de janeiro, de forma presencial em Salvador. Na ocasião, serão discutidas as principais ações para o próximo ano de 2022. Entre as ações estão uma ampla campanha de filiação para todo o estado para estimular novas filiações na defesa da pauta LGBTQIA+. “Nosso objetivo também é organizar as as primeiras candidaturas para 2024 nas eleições municipais”, contou.

Wesley destaca a importância de eleger pessoas LGBTQIA+ garantir a representatividade dessa comunidade e estimular políticas públicas que lhes representem, protejam e respeitem essa população nas esferas federais e estaduais. “É preciso dar voz a essas pessoas e corresponder aos anseios dessa minoria que vem sendo perseguida nos últimos tempos”, afirma o secretário, que destaca ainda a luta histórica de mais de 50 anos do movimento LBTQIA+.

O novo secretário comemora o fato de que a partir do ano 2000 a pauta da diversidade vem tomando forma do ponto de vista da mídia, da própria sociedade e das novas formações e constituições culturais brasileiras, o que tem reflexo na política. “Então esse movimento organizado, essa força que vem sendo demonstrada também junto à sociedade se reflete nessas disputas políticas que são levadas também para essas arenas partidárias”.

Na Bahia, ressalta Wesley, o movimento LGBT é bastante organizado, já tendo conquistado avanços importantes no estado, como Conselho LGBT, a coordenação LGBT e agora o plano estadual LGBT, que vem sendo elaborado, com a pretensão de avançar ainda mais nos próximos anos.

“Foi nos governos do PT da Bahia que conseguimos esse tripé da cidadania LGBT, que é a coordenação, o conselho e o Plano. Então a coordenação já está instituída no âmbito da Secretaria de Justiça e Desenvolvimento Social, o Conselho LGBT já tem vida plena e está em funcionamento há bastante tempo e o plano estadual vem sendo elaborado no âmbito desse conselho LGBT que reúne a sociedade civil e o governo. Além disso tem o casarão da Diversidade que funciona no Pelourinho e agrega diversas ações para nossa comunidade, mas nós temos que ampliar ainda mais essas ações e principalmente interiorizar essas ações para toda a Bahia”, afirmou.

*Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).