UNAIDS e parceiros vão promover respeito às minorias e prevenção do HIV nas Olimpíadas

AIDS em pauta, Comportamento, Social
19 de julho de 2016
por Genilson Coutinho

Cerca de 30 voluntários se reuniram na sede do Grupo Pela Vidda-RJ para treinamento em parceria com o UNAIDS no Brasil. Foto: UNAIDS Brasil

No Rio de Janeiro, cerca de 30 voluntários participaram na última terça-feira (12) de um treinamento para a campanha do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS) que vai promover o respeito à diversidade e a prevenção do HIV durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016.

A iniciativa vai mobilizar o público que frequentar os live sites das competições — locais criados pelo Comitê organizador das Olimpíadas para a transmissão das competições e outras atividades na Zona Portuária e em Madureira. Os espaços são abertos a todas as pessoas.

“Estes dois pontos específicos (da cidade) contemplam públicos muito diversos e igualmente importantes para as mensagens que queremos passar”, explica Adele Benzaken, diretora do Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde (DDAHV) — principal parceiro que realiza a campanha em conjunto com a agência da ONU.

Um dos pontos do projeto é o incentivo à realização da testagem para o HIV, bem como a defesa dos direitos das pessoas vivendo com o vírus.

“A campanha é inclusiva, fala de coisas que são comuns a todas as pessoas, independentemente de sua raça, cor, etnia, orientação sexual, identidade de gênero, religião, ideologia política, classe social, deficiência, nacionalidade e tantos outros elementos.”

O UNAIDS, o Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde (DDAHV) e o Grupo Pela Vidda realizaram reuniões e visitas a locais onde ocorrerão atividades da campanha contra a discriminação e em combate ao HIV nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Foto: UNAIDS Brasil

O UNAIDS, o Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde (DDAHV) e o Grupo Pela Vidda realizaram reuniões e visitas a locais onde ocorrerão atividades da campanha contra a discriminação e em combate ao HIV nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Foto: UNAIDS Brasil

O UNAIDS, o Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde (DDAHV) e o Grupo Pela Vidda realizaram reuniões e visitas a locais onde ocorrerão atividades da campanha contra a discriminação e em combate ao HIV nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Foto: UNAIDS Brasil

Também estão previstas ações na Casa Brasil, no Pier Mauá, e nas ‘casas’ de países parceiros — instalações montadas especialmente para os Jogos e espalhadas pela cidade do Rio de Janeiro. A campanha também será desenvolvida nas redes sociais.

“Aproveitamos mais uma vez a oportunidade de utilizar o poder de união do esporte para passar mensagens de zero discriminação”, explicou a diretora do UNAIDS no Brasil, Georgiana Braga-Orillard, durante o treinamento realizado na sede do Grupo Pela Vidda — parceiro do UNAIDS que, ao lado da AHF Brasil, ficará responsável pela capacitação dos voluntários.

“Nossa meta é tocar as pessoas no Rio de Janeiro que estão vivendo as Olimpíadas de perto e também as que estão conectadas de alguma forma pelas redes sociais, já que contaremos com uma plataforma online com a missão de fazer esta ponte entre o que está acontecendo no Rio e o resto do Brasil e do mundo.”

“Vamos trazer para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos a experiência das ações feitas durante a Copa de Mundo de 2014, dentro da campanha Projeta o Gol, liderada pelo UNAIDS e realizada com diversos parceiros, muitos dos quais também estão juntos desta vez”, disse o presidente do Pela Vidda-RJ, Marcio Villard.

Voluntários vão atuar nos live sites das Olimpíadas e em ações pontuais nas ‘casas’ de países parceiros, espaços criados especialmente para os Jogos 2016 para a transmissão das competições e atividades diversas. Foto: UNAIDS

Voluntários vão atuar nos live sites das Olimpíadas e em ações pontuais nas ‘casas’ de países parceiros, espaços criados especialmente para os Jogos 2016 para a transmissão das competições e atividades diversas. Foto: UNAIDS Brasil

Voluntários vão atuar nos live sites das Olimpíadas e em ações pontuais nas ‘casas’ de países parceiros, espaços criados especialmente para os Jogos 2016 para a transmissão das competições e atividades diversas. Foto: UNAIDS Brasil

“Mas agora, até em função do contexto atual que temos em nosso país e no mundo, vamos apostar também em outros elementos que vão além da prevenção e da testagem (para o HIV), para poder alcançar e sensibilizar o maior número possível de pessoas e voltar a alimentar esperança e a confiança na humanidade.”

Nos últimos anos, tanto no Brasil, quanto ao redor do mundo, uma onda de extremismo e polarização no campo político e das ideias tem exacerbado a violência contra os mais vulneráveis – minorias, pessoas LGBTI, refugiados, pessoas vivendo com HIV, entre outras populações.

Na maioria das vezes, tais ações não apenas culminam em violações dos direitos humanos, como contribuem para alimentar a percepção de que diversas conquistas acumuladas nesta área nas últimas décadas podem estar ameaçadas.

A campanha quer ser uma resposta a esse cenário, promovendo atitudes e sentimentos que reforçam a importância do respeito, da tolerância e da solidariedade.

O projeto conta com o apoio da União Europeia e outras agências da ONU, como o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Além do primeiro treinamento realizado no início da semana (12), os voluntários contarão com outros encontros preparatórios sobre temas relacionados à prevenção e testagem para HIV e à abordagem do público em grandes eventos.

Um guia do voluntário também será produzido e usado em outras ocasiões para além dos Jogos, já que a campanha acontecerá em diversos momentos até o final de dezembro.

Visitas preparatórias

No início de julho, representantes do UNAIDS e do DDAHV estiveram no Rio para visitar os locais onde a campanha será realizada.

Juntamente com o Grupo Pela Vidda, visitaram a região entre a Praça XV e a Praça Mauá, onde será instalada a Pira Olímpica — como é chamado o live site do Porto Maravilha, ainda em suas obras finais — e o Parque de Madureira, onde o organismo parceiros já realiza ações frequentes de mobilização social para prevenção e testagem.