Travestis salvam gays de espancamento na região central de São Paulo

Comportamento, Social
4 de novembro de 2016
por Genilson Coutinho

928654

O jovem Vinícius Anselmo e seu amigo se juntaram as estatisticas dos gays que sofrem diariamente por conta de sua orientação sexual.

A grande motivação de Vinícus ao transcrever o ataque homofóbico foi a de alertar para o perigo que se tornou andar de noite na região central de São Paulo. (Eu mesmo, jornalista que estou escrevendo esta matéria sofri duas tentativas de assalto recentimente na região).

O depoimento de Vinícus é forte e chama atenção para a omissão das pessoas que passavam na rua em meio aos ataques e não fizeram absolutamente nada.

Felizmente, as travestis, elas que comumente estão à margem da sociedade e sofrem preconceito até mesmo dentro da própria comunidade gay interviram e salvaram os garotos dos 3 agressores.

“” Eu gritava tão alto, que todo aquele lugar pôde me ouvir. Avistei de longe (e ainda apanhando) uma travesti que começou a gritar, e quando me dei conta, eram muitas ao redor de nós, e elas num grande ato de amor (porque não sei descrever com outras palavras) colocaram a vida delas em risco para salvar a minha e a de meu amigo. Elas expulsaram os caras de lá e deram sinal para um táxi. Não recordo direito, mas lembro delas falando entre elas: “Um já morreu, vamos tentar salvar o outro”, e então elas nos colocaram no táxi e pediram para o taxista nos deixar em casa.”, relata Vicíus em seu depoimento.

A ele e seu amigo desejamos melhoras. Quanto as travestis que ainda não foram identificadas o nosso reconhecimento e gratidão.

Confiram o depoimento na íntegra:

FOMOS VIOLENTADOS! Amigos, estou em choque!
Ontem marquei de ir encontrar um amigo depois do trabalho para devolver algumas peças de roupa dele que estavam comigo, marcamos às 20h00 na República (caminho onde era de fácil acesso para os dois), nos encontramos, entreguei seus pertences e resolvemos tomar uma cerveja ali no “Prainha”, barzinho que se localiza no Largo do Arouche, onde grande parte do público é LGBT. Tomamos nossa cerveja e por volta das 23h00 resolvemos ir emb

Ver más 

Da Capa