Transexual do programa Amor & Sexo fala ao Dois Terços

Sem categoria
3 de setembro de 2012
por Genilson Coutinho


Na próxima quinta-feira (06), o programa Amor & Sexo retorna em nova temporada e trará na sua equipe de produção, a transexual paulista Bárbara Aires primeira trans a ocupar um cargo na produção de um programa da global. Bastante ansiosa e pronta para o desafio, Bárbara conversou com nossa equipe sobre mercado de trabalho, preconceitos e os desafio na vida de uma transexual.

DT. Nos conte um pouco sobre você.

BA. Bom, eu passei por todas fases que a maioria das trans passa. Rejeição da família e amigos, perda do emprego, prostituição e filmes eróticos. E além disso, fui criança de rua. Sobre o nome social, ainda não fiz retificação civil por restrições pessoais, mas meu crachá é feminino, Bárbara Aires, Consultora.

Dois Terços. A sua entrada na produção do programa Amor & Sexo sem dúvidas abre novas possibilidades para outras transexuais no mercado de trabalho. Antes da TV Globo você já sofreu algum tipo de preconceito na busca por uma vaga no mercado de trabalho?

Bárbara Aires. Sofri muito preconceito no mercado formal. No começo da minha transição até 5 anos depois, eu não conseguia emprego nenhum. Me formei cabeleireira porque me diziam ser mais fácil e que não teria problemas em ser contratada nessa área. Ledo engano, só ouvi não. Os sim que ouvi eram enganados achando que eu fosse mulher biológica, mas ao ver que sou trans, era demitida.

DT. Como você tem visto o mercado de trabalho para as transexuais no Brasil?

BA. Ainda existe um preconceito muito grande referente ao gay no que tange a ideia preestabelecida que todo gay só sabem lidar com o seguimento da beleza. O mercado de trabalho é cruel com todo mundo, não acho que seja algo específico com nós travestis e transexuais. Mas é pior sim, as pessoas não estão preparadas para ver uma transex trabalhando formalmente. Principalmente em cargos que lidam com público e de alto escalão.

DT. Essa triste realidade ainda existe?

BA.Existe sim. Quando me identifico como trans, muitas pessoas não percebem, logo perguntam no que trabalho. Quando digo que é na Globo, perguntam se sou cabeleireira ou maquiadora. Quando falo que trabalho na produção, logo perguntam como consegui. Se falo que trabalho em produção, sem falar da Globo, me perguntam se é produção de moda.
Transexual será produtora na nova temporada do programa ‘Amor & Sexo’