Torcida do Palmeiras não quer Richarlyson no time por ele ser afeminado

Sem categoria
2 de janeiro de 2012
por Genilson Coutinho

Artgay repudia Homofobia da Torcida e Conselheiros do Palmeiras

A Articulação Brasileira de Gays -ArtGay encaminhou, neste primeiro dia de 2012, a diretoria do Palmeiras repudiando a homofobia dos conselheiros e torcedores do time paulista, que impede a contratação do Jogador Richarlyson por deduzirem que ele seja gay afeminado. A Artgay repudia a atitude dos homofóbicos torcedores e conselheiros do Palmeiras que “acusam”  o Jogador de ser homossexual. A Articulação lembra que a orientação sexual das pessoas é uma questão de fórum íntimo e não pode e nem deve ser utilizada como motivação de contratação ou demissão de qualquer ser humano.
Um manifesto da torcida palmeirense na internet dizia que o jogador não poderia atuar pelo clube não por ele ser “supostamente homossexual”, mas pelos “trejeitos afeminados”. Um dirigente da torcida foi mais além: ameaçou expulsar o jogador da cidade na pancada quando pisasse no aeroporto.Sites de humor na internet brincam rotineiramente com a sexualidade de Richarlyson. Profissionais da imprensa es­portiva chamam-no maliciosamente de “Ricky”. A Expressão ou identidade de gênero de um ser humano não pode ser colocada como princípio para discriminação no Brasil.

 A Artgay espera que a torcida do Palmeiras, bem como seus conselheiros aprendam a conviver com a cultura de paz, respeitando a diversidade e o direito das pessoas se expressarem visualmente da forma como quiserem. No ano de 2012, a Artgay insistirá com os Senadores do Brasil para que tornem  crime a Homofobia como previsto no projeto original do PLC 122. Para o Coordenador Geral da Artgay, Léo Mendes, ” Richarlyson  é um exemplo do que acontece diariamente no Brasil com homens que se expressam de forma diferente do imposto pela regra machista e que muitas vezes são confundidos como gays e despedidos ou impedidos de trabalhar no país. Está na hora dos senadores tornarem a homofobia um crime, como já fizeram com o racismo e o anti-semitismo”.