“Todo tipo de informação é importante para a prisão dos responsáveis pela morte de Rodrigo Lapa”, diz delegada

Notícias
8 de janeiro de 2016
por Redação
Foto: Genilson Coutinho

Foto: Genilson Coutinho

A tarde da última quarta-feira (8), foi de tristeza e pedido de justiça, pelos familiares de Rodrigo Lapa, durante a reunião solicitada pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), com representantes  da Secretaria de Justiça e Desenvolvimento Social,  Anhamona de Brito, Vinicius Alves e a delegada Maritta Souza.

Rodrigo foi encontrado morto, no dia 30 de dezembro, dentro da sua residência, no bairro de Brotas.

O encontro aconteceu para acompanhar os rumos da investigação e pedir mais agilidade do governo, não apenas com o caso de Rodrigo, mas também os de todas as vítimas de homofobia no estado da Bahia.

De acordo Anhamona de Brito, o compromisso da Secretaria em apurar e buscar os culpados por esses crimes está na ordem do dia das ações da Secretaria, que tem trabalhado para contribuir com as autoridades no que for necessário, e principalmente apoiar as famílias das vítimas.

Foto: Genilson Coutinho

Foto: Genilson Coutinho

O presidente do GGB, Marcelo Cerqueira, ressaltou que é fundamental que haja esse empenho cada vez maior nas apurações dos casos.

“Essa reunião é uma das muitas que estamos tendo com as autoridades para acompanhar e cobrar a prisão desses monstros que estão à solta na cidade, enquanto famílias estão destruídas com a perda dos seus queridos”, disse ele.

Sobre os anseios de Marcelo e da família, a delegada Maritta Souza sinalizou que as investigações estão seguindo com todos os indicativos encontrados na cena do crime, mas ressaltou que é fundamental que todo tipo de informação que surja deve ser avisada à policia, para ajudar nas investigações. “É  fundamental que todo tipo de informação seja passada, pois todas as provas encontradas são importantes, mas tem coisa que as pessoas não contam, mas conversam com amigos e vizinhos, e quem sabe dessas conversas tem algum caminho para a construção das provas para chegarmos aos assassinos”, alertou a delegada.

As investigações seguem em sigilo para não atrapalhar, mas nos próximos dias serão apresentadas as conclusões sobre o crime.