Talento do baiano Fábio Dultra conquista Lady Gaga e grandes marcas pelo mundo

Sala VIP
22 de setembro de 2020
por Genilson Coutinho

Com um trabalho que vai do metal ao couro, a arte do baiano e designer de joias Fábio Dultra recentemente chegou ao mundo pelas mãos da cantora Lady Gaga no badalado clipe “Cromática 911”, antes uma lista de grandes estrelas  como Paris Hilton, Nalaya Brown, Dina & Dana, Innocense e Jane Zhang  já conheciam e usavam peças do baiano, que ganhou o mundo nos grandes espetáculos e comerciais.

Nascido em Salvador, Fábio começou sua carreira como designer no final dos anos 90 na Itália criando obras-primas em trajes, joias e complementos para artistas da noite, celebridades e shows, com materiais como cristais, metais e pedras semipreciosas. A arte de Fábio se apresenta como uma mistura entre o Classicismo e a elegância italiana, o glamour e luxo do carnaval brasileiro e a alegria da moda Vanguardista Espanhola.

Em meio às produções, Fábio bateu um papo com o Dois Terços sobre carreira, criações, pandemia e sua gratidão aos amigos baianos. De Ibiza, ele  nos contou dos desafios e conquistas rumo à consagração e reconhecimento do seu trabalho.

DOIS TERÇOS – Como começou sua carreira e quem te inspirou?

FÁBIO DULTRA – Tudo começou por acaso, pelo simples fato de saber desenhar! ( risos). Desde criança sempre fui muito habilidoso com trabalhos manuais e ainda muito jovem fazia todo tipo de coisas para familiares e amigos. Sempre me pediam algo e mesmo sem nunca ter feito, eu fazia e ficava incrível! Bagageryer Spilberg – um ícone da noite soteropolitana – tem até hoje um adorno de cabeça que lhe fiz com fita crepe e plumas brancas há mais de 20 anos, por exemplo. Nesta época, aprendi muito sobre alta costura e estilismo com meu amigo estilista, Julio Cezar Habib, também ajudava nos concursos de beleza do saudoso amigo Antonio Miguel. Vivia nos bastidores, via as luzes e passei a entender a iluminação de um espetáculo, via aqueles trajes típicos e vestidos de gala, cheios de brilho e tudo aquilo me encantava.

Quando cheguei à Europa em 1998, fazia uns bicos como ajudante no atelier de Caroline D`Lamark, onde eram confeccionados figurinos espetaculares para todo tipo de eventos. Até hoje a chamo de “Minha Madrinha”, e foi ali que tudo passou de ser um hobby para converter-se em uma profissão.

FD – Quem me inspirou? Difícil responder a isso por que tenho um pouco de todas estas pessoas que comentei e tive o privilégio de conviver na noite baiana desta época. São muitas as referências e de muitos artistas que eu via nos camarins do Club Hommesde May Matos. Já na Europa, com os anos fui evoluindo, aprimorando técnicas, estudando muito e investindo na profissão! Sou eternamente grato a todas as pessoas que passaram e a outras tantas que ainda fazem parte de minha vida, onde sigo aprendendo, porque julgo que enquanto estamos vivos temos de seguir aprendendo. Toda esta gente faz parte de minha história.

Fabio e Paris Hilton

DT – Paris Hilton, Nalaya Brown, Dina & Dana, Innocense, Jane Zhang e agora Lady Gaga são algumas das estrelas que usaram suas criações. Como elas conheceram seu trabalho?

FD – Trabalhar com celebridades é um pouco complicado, por que o primeiro contato quase nunca é direto com elas. Cada uma dessas artistas citadas tem sua própria história e esse contato sempre foi através de profissionais que trabalham com elas, como assessores, diretores, produtores, estilistas, agentes etc. Trabalho há mais de 10 anos em Ibiza e nesta ilha, tudo pode acontecer. E aconteceu! Fiz meu nome, mas não foi nada fácil!

Numa noite, na maior discoteca do mundo, o Club Privilege Ibiza que conheci Nalaya Brown, uma importante cantora e compositora espanhola. Ela era residente e passei a vesti-la. Através dela, cheguei a Paris Hilton numa gravação de um videoclipe para Supermartxe Ibiza e assim tudo foi fluindo. Hoje tenho uma assessoria que está todo o tempo atenta a tudo que passa no mundo e sempre que acha conveniente enviam material sobre meu trabalho para agências de publicidade, produtoras, diretores e estilistas de peso internacional. Mas o que realmente funciona é estar no lugar certo com as pessoas certas! Eu não sou de ficar “esperando acontecer”. Me jogo onde seja possível para fazer bons contatos!


Os melhores contatos são os que nos vendem no boca-a-boca e por isso viajo muito e procuro sempre conhecer pessoas formadoras de opinião, sempre digo “Nunca se sabe o que pode acontecer depois de um brinde”! No caso da Lady Gaga, foi diferente. Foi ela e sua estilista que viram nosso trabalho no Instagram. A estilista entrou em contato conosco e então fechamos! Temos contratos com acordos de confidencialidade assinados e por cláusulas contratuais e multas astronômicas não posso falar nada mais! (risos).

DT – Quais foram os principais desafios encontrados neste mercado tão competitivo?

FD – Nossaaaa, MUITOS! O início foi cruel, falsos amigos, pessoas oportunistas, ingratidão. Entretanto, infelizmente, o que mais pesou foi o fato de ser brasileiro. Por mais incrível que pareça entrar no mercado europeu, onde ninguém “de fora” entra foi como ir a uma guerra. Fui hostilizado por anos, ignorado, mal tratado, mas, eu sempre estava ali, no meio dos grandes, muitas vezes trabalhando até mesmo sem pagamento, mas olhando nos olhos das pessoas e sorrindo, fazendo o melhor possível, dando o melhor de mim. A imagem que muitos estrangeiros têm dos brasileiros é a de que nós só sabemos fazer carnaval e sambar! Tudo que eu fazia, eles olhavam e diziam de uma forma um tanto desrespeitosa: “Muy Brasil!” e me tiravam do meio. Foram anos para entender o que tinha que mudar, fui lapidando meu trabalho, refinando, mudando meus conceitos e referências e quando fiz melhor que muitos deles, todos passaram a me respeitar e me contratar.



A Espanha é hoje em dia para mim, minha casa. Porque foi aqui que me deram a oportunidade de crescer como pessoa e como profissional! Estando aqui, muitas portas se abriram e outras muitas ainda estão por fazê-lo…. Novidades estão por vir. Aguardem!

DT – Você viaja muito, isso é fato. Nessas andanças pelo mundo, o que agrega ao seu trabalho?

FD – Como dizia Mário Quintana, “viajar é mudar a roupa da alma”. Eu não consigo viver sem viajar, é viajando que vemos o que está acontecendo no mundo. É a minha fonte de inspiração, a minha escola, onde capto minhas referências, estudo novos materiais, faço cursos etc. É uma pena que nem todas as pessoas que trabalhem com criação tenham a oportunidade de viajar. E assim sendo, acabam ficando presas no passado. Eu preciso viajar para aprender e principalmente para me renovar. Hoje, quase tudo que eu uso no meu trabalho, compro nas minhas viagens. Não sou do tipo que pede para um amigo trazer uma malinha de coisas. Afortunadamente, posso me permitir pegar um avião e ir onde seja para buscar minha matéria-prima.

É delicioso descobrir coisas novas, lugares novos! Nos últimos 5 anos, trabalhando por toda Ásia, fiz 45 viagens à China. Nestas, por sorte, pude escapar umas 10 vezes a Hong Kong para fazer compras. Hong Kong é um paraíso para qualquer estilista. No ano passado, fui ao Brasil somente para conhecer uma fábrica de plumas artificiais, por que um cliente era terminantemente contra o uso de materiais provenientes de animais. Fui, gostei, comprei e usei. Foi sucesso absoluto em Ibiza, justo por ser ecologicamente correto.



DT – Esses figurinos andrógenos e metalizados não são fáceis de conceber. De onde vêm essas inspirações?

FD – De muito estudo de referências, principalmente dos grandes mestres da moda internacional. Tierry Mugler já fazia isso nos anos 90. Galiano com o luxo dos seus shows. Alexander McQueem que rompia todos os esquemas com sua mente genial. Muita coisa vem deles e de outras coisas que vejo em viagens, daí a importância de viajar!

Além disso, tenho uma equipe fantástica. Jose Luis é meu sócio e grande amigo, é um louco (no melhor sentido da palavra) e um gênio ao mesmo tempo. A fusão de nossas mentes quando estamos trabalhando nos propicia a criação de novos conceitos. Trabalhar sozinho não tem graça, você acaba limitado, porque o que você vê de uma forma a outra pessoa vê de outra e então se chega a um denominador comum e saem maravilhas. Gosto de trabalhar em equipe e tenho grandes amigos que são parceiros e colaboradores há muitos anos, em vários países, como por exemplo, Brenda Di Ponde, na Itália.

DT – Você está fora do Brasil há muitos anos. Entretanto, entendo que acompanha por meio da internet e de amigos a atual situação do país. Qual a sua visão como alguém que não vive mais aqui?

FD – Claro que sim, vejo tudo! Hoje eu prefiro não discutir política, por que cansei de ver tantos absurdos vindos do Governo e das pessoas. Infelizmente, por causa da situação na qual o Brasil se encontra as máscaras caíram e me assustei. Vi que eu não conhecia de verdade muita gente e que muitos “amigos” não são tão amigos assim. Até dentro da família tive problemas. A minha visão é de total vergonha e perplexidade. Quando me perguntam de onde eu sou, tento sempre mudar de assunto para evitar passar vergonha e dar explicações. É muito triste falar isso, mas é a verdade!

O problema do Brasil é a ignorância e a falta de civilidade de um povo que é vítima de governantes que sempre encontram uma maneira de lucrar devido a essa ignorância. Não interessa a esses governantes educar esse povo, logo, o ensino público é o que é. Por outro lado, pergunto: se o povo é corrupto, como pode exigir um governo que não o seja?

Infelizmente, creio que, para que isso mude vão ser preciso alguns séculos! É COMPLICADO!

DT – A Arte Drag cresceu muito em Salvador. Você tem acompanhado?

FD – A Arte Drag cresceu em todo o mundo depois do RuPaul Drag Race! Eu acompanho de longe, vejo algumas coisas e, desafortunadamente, acho que falta muito para Salvador neste sentido. Infeizmente tenho que dizer a maioria das coisas que vejo podem e devem melhorar muito. Ser Drag não é somente colocar uma peruca, pintar o rosto, tentar ser feminino, fazer carão ou bater cabelo. Ser drag é uma arte, isso sempre foi assim. Quando alguém se propõe a fazer algo eu penso que deve fazer sempre o melhor dentro de suas possibilidades, claro. Vejo que a maioria se limita a tentar ficar bonita. Elas querem parecer uma miss e não se preocupam em mostrar sua arte. Antigamente, não havia tantos recursos como hoje, e ainda assim, os transformistas se apresentavam impecáveis, trabalhavam os figurinos com o que tinha de melhor ou até com o que não tinha uso normalmente, o famoso “do lixo ao luxo”.

Eu já fiz até figurino com pipoca para um amigo nesta época e ficou lindo e divertido. Uma vez, fiz para Isak Filho uma peruca com laminado de madeira (destas que se fabricam móveis) e lascas também de madeira, ele depois fez o vestido todo de madeira e ganhou o concurso de Drags da Prefeitura como melhor traje em originalidade. Vejo que muitas querem fazer show de shortinho para imitar a Pablo Vittar, mas nem todas podem imitar a Pablo não é? Fica ai a questão da autocrítica.

Gostaria de não ser mal interpretado, mas a impressão que fica é que em Salvador elas não querem crescer profissionalmente. Além de tudo isso, acho que o maior problema está na falta de incentivo por parte dos contratantes. Como ser drag se o cachê não dá para comprar nem um sapato ou uma peruca? Salvador precisa de empresários que invistam na Cena Drag e pague bem aos artistas locais incentivando a serem mais competitivos e assim melhorarem sempre. Até porque se podem contratar drags de São Paulo, podem pagar melhor sim.

DT – Quais conselhos você daria a nova geração de Drags baianas?



FD – Estudar muito. Não adianta estar bonita e não ter texto, não ter nada para dizer; ver reality de Drags de vários países; provar vários estilos para assim poder criar um personagem e trabalha-lo em várias versões, da bonita à punk, da boneca à miss, da andrógena à caricata e assim encontrar uma identidade artística. Hoje em dia, há tutoriais para tudo, vejam como fazer vários tipos de maquiagens diferentes, como se faz modelagem para costurar seus trajes etc. Também se pode comprar de tudo pela internet, não existe mais a desculpa do “não achei em lugar nenhum” ou “não existe”. Tudo está criado, então, mãos à obra. Procurem nos buscadores de internet, seguramente encontrarão o que necessitam e sigam suas Drags preferidas e as usem como referência.

Estudem idiomas. Se vocês querem trabalhar num lugar bacana, então você precisa saber se comunicar com todos, Salvador é uma cidade turística, então será muito fácil cruzar com turistas e estes dão gorjetas, então fale com eles de igual para igual, seja simpática, carismática, elegante, tenha raciocínio rápido, educação e humildade. Não adianta nada se queixar sempre de que não há oportunidades se quando a dita oportunidade aparecer você a deixar escapar. Falta a Salvador aparecer uma Drag que seja uma artista completa, moderna. Contudo, não tento desmerecer às que já trabalham profissionalmente, sei que há muitas que batalham há anos e se deixaram levar pelo desânimo simplesmente porque não têm ajuda de ninguém. Empresários: ajudem! Valorizem e incentivem às Drags, vocês verão que valerá a pena!

E me coloco à disposição para tirar qualquer dúvida ou ajudar de alguma maneira a quem precisar e quiser umas dicas. Basta mandar-me uma mensagem por Instagram que dentro do possível vou responder a todos.

DT – Com a pandemia todos que trabalham com eventos e entretenimento foram afetados. E você? Quais são seus projetos pós-pandemia?



FD – Fui afetadíssimo sim, tínhamos quatro contratos fechados desde janeiro com hotéis e festas para este verão em Ibiza e Cádiz e tudo foi cancelado, todos os eventos privados foram cancelados até dezembro. Todo o fluxo de trabalho deste ano acabou e só nos resta reinventar-nos, não desanimar, não desistir. Vamos aguentar, porque uma hora tudo isso vai passar, sou otimista e acho que esta pandemia está ai para nos ensinar a dar valor às coisas mais simples.

Próximos projetos? Voltar à minha amada China. Já estamos negociando novos trabalhos e assim que as portas do país se abrirem vamos todos para lá correndo por que lá sim há muito trabalho. Também  estarei lançando vídeo-aula para profissionais ou pessoas interessadas em aprender a confeccionarem  joias, serão vários níveis e irei dar o passo a passo de tudo. Além disso, temos surpresa para o próximo ano, mas desta, eu não posso falar nada. Só posso dizer que será com alguém muito importante no mundo da música internacional!

DT – O que Fábio Dultra espera do futuro? O que você almeja alcançar? E aonde você quer chegar?

FD – Espero viver muito (risos), poder fazer o que amo como eu sempre quis, com liberdade, espero continuar sendo feliz e mais ainda, se possível for. As pessoas estranham quando eu digo que não busco a fama, trabalho com pessoas famosas e sei que isso não traz felicidade. Espero conhecer muitos outros países e suas culturas, viajar muito, aprender mais idiomas, trabalhar com pessoas interessantes e aprender com elas. Adoraria trabalhar com Cher, quem sabe um dia? É um sonho.

Gostaria de voltar a estudar em uns anos, quero ser psicólogo para ajudar pessoas LGBTQI+ a superarem alguns problemas e traumas que possam ter. 

Deixe seu comentário

Sem comentários, seja o primeiro.