Série ideias #EmCasaComSesc traz debates sobre humor visual, corpo, gênero e isolamento, bicicleta e mobilidade urbana e inclusão digital para idosos

Serviços
16 de julho de 2020
por Redação

Com o objetivo de incentivar a reflexão no contexto desafiador em que nos encontramos, a série Ideias, promovida pelo Sesc São Paulo por intermédio de seu Centro de Pesquisa e Formação (CPF), traz a transmissão ao vivo de debates sobre as principais questões que tensionam a agenda sociocultural e educativa atual. Sempre às 16h, as conferências acontecem pelo canal do YouTube do Sesc São Paulo, com participação do público e tradução simultânea para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

No dia 21, terça-feira, a série traz o debate Humor visual como leitura do contemporâneo. Nele, será abordado como o humor visual pode tensionar e problematizar imbróglios políticos e desigualdades sociais, ou por vezes, reforçar preconceitos ou estereótipos. Também estará em pauta o humor viral, que repercute velozmente, e se ele pode ser considerado como uma manifestação cultural contemporânea. Com Carol Ito, jornalista, mestra em Ciência da Informação e quadrinista de publicações como Caros Amigos, Trip e Tpm, e Elias Thomé Saliba, historiador, professor e escritor. A mediação é de Andrea de Araújo Nogueira, historiadora e gerente do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP, e a apresentação é de Sabrina da Paixão, pesquisadora do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP.

No dia seguinte, quarta-feira, 22, a mesa Corpo, gênero e isolamento: o que a pandemia escancarou? discute como alguns grupos sociais – mulheres, pessoas LGBTQIA+, negros e negras – vêm vivenciando o isolamento social, e quais estratégias coletivas e individuais podem agora e, continuamente, garantir a vida, a saúde e os afetos desses grupos. Participam Ariadne Ribeiro, professora e assessora de Apoio Comunitário do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV /AIDS, Rita von Hunty, persona drag de Guilherme Terreri, ator, professor e apresentador do programa de TV “Drag Me As A Queen” e do canal no Youtube Tempero Drag, com mais de meio milhão de inscritos, e Semayat Oliveira, jornalista e cofundadora do coletivo jornalístico “Nós, mulheres da periferia”. A mediação e apresentação é da psicóloga e assistente técnica da Gerência de Estudos e Programas Sociais do Sesc SP, Emilia Carmineti.

Quinta-feira, 23, é dia de debater sobre Priorizar a bicicleta: Por que não o fazemos?. Serão trazidas à tona questões ligadas ao uso da bicicleta no cotidiano das cidades, como os aspectos positivos de sua priorização como política pública de deslocamento e o que tem sido feito no mundo sobre isso. Também se falará sobre a letargia do poder público no Brasil e a, ainda tímida, proatividade da sociedade civil em relação à mobilidade ativa. Dentre os participantes, estão o médico patologista, professor universitário e pesquisador Paulo Saldiva, e a jornalista e cicloativista à frente do canal de Youtube Bike é Legal, Renata Falzoni. Na mediação e apresentação, estará Júlio César Pereira, assistente técnico da Gerência de Desenvolvimento Físico-esportivo do Sesc SP.

E por fim, na sexta-feira, 24, será transmitido o encontro Revista Viva – Gerontecnologia: contribuições para o envelhecimento e longevidade. Nele, estará em pauta a inclusão digital para os idosos, processo cada vez mais necessário, principalmente na situação de distanciamento social em razão da pandemia. Para além do ter ou não acesso a equipamentos eletrônicos, informativos e comunicativos, a discussão abordará a capacidade dos idosos usarem essas tecnologias para se engajarem em práticas sociais significativas e terem discernimento com relação aos sites de notícias falsas. Com Carla da Silva Santana Castro, professora e presidente da Sociedade Brasileira de Gerontecnologia (SBGTEC) e Taiuani Marquine Raymundo, professora e diretora Científica da Sociedade Brasileira de Gerontecnologia (SBGTec). A mediação e apresentação é de Alessandra Nascimento, assistente técnica da Gerência de Estudos e Programas Sociais do Sesc SP.

PROGRAMAÇÃO IDEIAS #EMCASACOMSESC

21/7, terça-feira
Humor visual como leitura do contemporâneo

Muito tem-se falado sobre o humor e sua capacidade de revelar as ambiguidades das relações de poder. Como o humor visual pode tensionar e problematizar imbróglios políticos e desigualdades sociais? Ou por vezes, reforçar preconceitos ou estereótipos? Enquanto experimentação, como o humor visual igualmente amplia o sentido da produção artística? O humor viral, que repercute velozmente, amplificado pela Internet, pode ser considerado como uma manifestação cultural contemporânea? Essas e outras questões sobre gênero, censura e a pesquisa dos desenhos de humor visual serão analisadas neste debate à luz da História da Cultura.

Participantes:

Carol Ito – Quadrinista, jornalista e mestra em Ciência da Informação pela ECA-USP. Desde 2014, usa as HQs para abordar temas ligados a política, comportamento e gênero, colaborando com diversas coletâneas, além de publicar trabalhos de jornalismo em quadrinhos para veículos como revista Trip e Caros Amigos. Em 2017, criou o Políticas, projeto dedicado divulgar quadrinhos políticos feitos por mulheres brasileiras nas redes sociais. Atualmente, é autora da série de tirinhas Quarentiras, publicada todo domingo no Instagram da revista Tpm.

Elias Thomé Saliba – Historiador, professor titular do Departamento de História da FFLCH da USP, pesquisador 1A do CNPq, coordenador do site humorhistoria.wordpress.com e autor, entre outros livros, de Raízes do Riso (Cia. das Letras) e Crocodilos, Satíricos e Humoristas Involuntários: ensaios de História Cultural do Humor (Intermeios/USP, 2018).

Mediação:

Andrea de Araujo Nogueira – Historiadora pela USP. Mestre em Artes Visuais pela Unesp – IA e Doutora em Ciências da Comunicação pela ECA USP. Gerente do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP. Integra como pesquisadora colaboradora do Grupo “As narrativas históricas e a polifonia da linguagem humorística brasileira (1930-1960)” com o estudo sobre a produção de Hilde Weber (1913-1994).

Apresentação:

Sabrina da Paixão – Historiadora e mestra em Educação pela FEUSP. Pesquisadora do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP.

22/7, quarta-feira
Corpo, gênero e isolamento: o que a pandemia escancarou?

O bate-papo pretende abordar como alguns grupos sociais – mulheres, pessoas LGBTQIA+, negros e negras – vêm vivenciando o isolamento social; as implicações, experiências e agravamentos que o momento atual trouxe para corpos que historicamente já eram atravessados por realidades desiguais e de exclusão. Quais estratégias coletivas e individuais podem agora e, continuamente, garantir a vida, a saúde e os afetos?

Participantes:

Ariadne Ribeiro – Professora universitária, mestre e doutoranda de Psiquiatria e Psicologia Médica na UNIFESP. Assessora de Apoio Comunitário do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV /AIDS.

Rita von Hunty – Persona drag de Guilherme Terreri, ator, professor de língua e literatura inglesa formado pela USP. Apresenta o programa de TV “Drag Me As A Queen” e o canal no Youtube Tempero Drag, com mais de meio milhão de inscritos.

Semayat Oliveira – Jornalista e especialista em Cultura, Educação e Relações étnico-raciais pela USP. É cofundadora do coletivo jornalístico “Nós, mulheres da periferia”. Foi codiretora do curta ‘Nós, Carolinas’ (2017) e diretora do média ‘Na Disciplina: samba e cidadania’ (2019).

Mediação e apresentação:

Emilia Carmineti – Psicóloga, assistente técnica da Gerência de Estudos e Programas Sociais do Sesc SP.

23/7, quinta-feira
Priorizar a bicicleta: Por que não o fazemos?

Discute questões ligadas ao uso da bicicleta no cotidiano das cidades, como os aspectos positivos de sua priorização como política pública de deslocamento e o que tem sido feito no mundo sobre isso. No contexto do debate, a letargia do poder público no Brasil e a, ainda tímida, proatividade da sociedade civil em relação à mobilidade ativa; a utilização da bicicleta para o lazer e para o esporte; e os cenários que se apresentam a partir da pandemia. O debate terá como provocação, poemas trazidos por Roberta Estrela D’Alva (atriz-MC, diretora, poeta, curadora e pesquisadora).

Participantes:

Paulo Saldiva – Médico patologista, professor universitário e pesquisador.

Renata Falzoni – Jornalista e cicloativista, comanda o canal de Youtube Bike é Legal

Mediação e apresentação:

Júlio César Pereira – Assistente técnico da Gerência de Desenvolvimento Físico-esportivo do Sesc SP.

24/7, sexta-feira
Revista Viva – Gerontecnologia: contribuições para o envelhecimento e longevidade

A Revista Viva é uma forma de compartilhar por meio de conversas, os conteúdos da Revista Mais 60 do Sesc São Paulo. A revista é quadrimestral, técnico-científica e dá continuidade à disseminação da produção de conhecimento no campo da gerontologia, por meio da metodologia, prática, depoimentos e imagens, de forma ampla e significativa, contribuindo, assim, para a visibilidade e o entendimento da velhice, do processo de envelhecimento e da longevidade, como elementos essenciais para a valorização da pessoa idosa no contexto social.

Este encontro debate a inclusão digital para os idosos, processo cada vez mais necessário, principalmente na situação de distanciamento social em razão da pandemia, pois tornou-se uma ferramenta relevante. A inclusão digital vai além do ter ou não acesso a equipamentos eletrônicos, informativos e comunicativos. Está relacionada à capacidade dos idosos usarem essas tecnologias para se engajarem em práticas sociais significativas e terem discernimento com relação aos sites de notícias falsas, por exemplo.

Participantes:

Carla da Silva Santana Castro – Professora associada da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e presidente da Sociedade Brasileira de Gerontecnologia (SBGTEC).

Taiuani Marquine Raymundo – Professora adjunta do departamento de Terapia Ocupacional da Universidade Federal do Paraná (UFPR), coordenadora da Universidade Aberta da Maturidade da UFPR e diretora Científica da Sociedade Brasileira de Gerontecnologia (SBGTec).

Mediação e apresentação:

Alessandra Nascimento – Assistente técnica da Gerência de Estudos e Programas Sociais do Sesc SP.

+ SESC NA QUARENTENA

Durante o período de distanciamento social, em que as unidades do Sesc no estado de São Paulo permanecem fechadas para evitar a propagação do novo coronavírus, um conjunto de iniciativas garantem a continuidade de sua ação sociocultural nas diversas áreas em que atua. Pelos canais digitais e redes sociais, o público pode acompanhar o andamento dessas ações e ter acesso a conteúdos exclusivos de forma gratuita e irrestrita. Confira a programação e fique #EmCasaComSesc.

Mesa Brasil Tecido Solidário Fabricação Digital de Protetores Faciais Teatro Música Dança Cinema Esporte Crianças Ideias SescTV Selo Sesc Edições Sesc São Paulo | Youtube Sesc São Paulo | Instagram Sesc Ao Vivo Portal Sesc SP

+ SESC DIGITAL

A presença digital do Sesc São Paulo vem sendo construída desde 1996, sempre pautada pela distribuição diária de informações sobre seus programas, projetos e atividades e marcada pela experimentação. O propósito de expandir o alcance de suas ações socioculturais vem do interesse institucional pela crescente universalização de seu atendimento, incluindo públicos que não têm contato com as ações presenciais oferecidas nas 40 unidades operacionais espalhadas pelo estado.

Saiba +: Sesc Digital

Deixe seu comentário

Sem comentários, seja o primeiro.