Segundo casamento coletivo homoafetivo do Amazonas acontece em julho

Social, Tem Direito
2 de junho de 2015
por Genilson Coutinho
Primeiro casamento coletivo foi realizado em setembro de 2014 (Foto: Camila Henriques/G1 AM)

Primeiro casamento coletivo foi realizado em setembro de 2014 (Foto: Camila Henriques/G1 AM)

O segundo casamento coletivo homoafetivo do Amazonas vai acontecer em julho deste ano. As inscrições para os casais interessados em participar da cerimônia já começaram e vão até o dia 8 de junho. As vagas são limitadas.
Os interessados devem enviar e-mail com nome completo e números de telefones de ambos para casamentocoletivo2015@gmail.com ou através do aplicativo WhatsApp para o celular (92) 99124-4070 e aguardar contato dos organizadores para marcar a reunião com o casal e iniciar o processo.
Os noivos vão receber aliança, foto personalizada e todos os documentos legais da união, sem custos. A iniciativa garante os direitos jurídicos do casal homoafetivo que possui os mesmos dos casais heterossexuais, como mudança no estado civil, herança, pensão alimentícia e dependência em plano de saúde. “O ato vai se refletir diretamente na vida desses casais, que poderão, inclusive, formalizar pedidos de guarda de menores de idade e ter mais facilidade nos processos de adoção”, explica a presidente da Comissão de Diversidade Sexual da Ordem dos Advogados do Brasil/AM, Alexandra Zangerolame, por meio de assessoria de comunicação.
Segundo a titular da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), Graça Prola, a legalização do casamento homoafetivo é um avanço na garantia dos direitos do público LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros), denota à igualdade de todos os seres humanos e a não discriminação. “O casamento é a confirmação da vontade de qualquer casal em constituir família e todos nós temos direito a ela, haja vista que vários pares homoafetivos já convivem em união estável e querem ou precisam usufuir dos direitos que a lei dispõe”, pondera.
Apesar de a cerimônia ser coletiva, o processo de oficialização da união de pessoas do mesmo sexo está assegurado por decisão do Superior Tribunal Federal (STF) e pela Resolução nº 175/2013 do Conselho Nacional de Justiça, que obriga cartórios a realizarem o casamento de acordo com os trâmites legais.

Do G1