Público festejou ontem (09) com Roberto Mendes e as sambadeiras do Recôncavo

Sem categoria
10 de dezembro de 2011
por Genilson Coutinho

Festa antecipou o Natal no Pelô que tem a diversidade da cultura popular baiana como tema

O Largo Pedro Archanjo, no Pelourinho, recebeu o colorido e a alegria do Recôncavo Baiano, na noite de ontem (09). A festa do samba de roda sob a maestria do músico, instrumentista e cantor Roberto Mendes, contou com nomes como Tiganá Santana, Virginia Rodrigues e Fabiana Cozza. Da entrada do Largo até o seu interior, artesanatos feitos em palha, rendas, chitas, fotografias do cotidiano e cultura da região enfeitavam o cenário e deram um tom de nostalgia e atualidade ao ambiente. Um pedaço das tradições do Recôncavo Baiano foi reproduzido de forma detalhada no Pedro Archanjo, proporcionando ao público uma experiência marcante.

Baianos e turistas, que encheram a casa, foram presenteados pela presença das sambadeiras de Suerdick, que liderado por D. Dalva, emocionou os presentes que aplaudiram de pé a entrada do cortejo de samba de roda. A estudante de 21 anos, Fernanda Souza dos Santos, se emocionou ao verificar a vivacidade de D. Dalva liderando toda aquela festa. “É tão bonito ver que tradições como essas, ainda provocam a gente e nos faz arrepiar. Minha família é de Saubara e me recordo dos tempos de férias da escola que passava por lá. Mas há muitos anos não volto. Bateu saudade”, disse. A noite contou ainda com vídeo documentário com a narração do diretor e ator Harildo Déda, que levou ao conhecimento dos presentes as histórias de Santo Amaro, Cachoeira, Acupe, Saubara e Maragogipe – “terra onde os primeiros príncipes da velha colônia pisaram”. Depoimentos de marisqueiras, pescadores e sambadeiras buscaram traduzir a riqueza de uma tradição que resiste às gerações.  A costureira aposentada de 72 anos, filha de Cachoeira, Maria de Lourdes de Jesus, assistiu a toda a festa sentada em função de um problema na coluna. Participou da festa com palmas entusiasmadas, acompanhando a euforia do público. “Fico feliz com o que vejo aqui. Há mais de 10 anos não volto à minha terra por problemas de saúde, mas me recordo claramente das rodas de samba, do som que fazíamos com os pratos, de minha mãe me contando as histórias do mar, das festas e da nossa cultura”. Há dois anos Maria de Lourdes não consegue caminhar bem e lamenta: “Mesmo que pudesse dançar, não conseguiria. Estou muito emocionada para isso. Sinto-me congelada de emoção”, pontua.

 

Momentos de emoção, alegria e valorização da cultura local, são presenças confirmadas na programação do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI), por meio da programação do Pelourinho Cultural. Desde a sua criação, o CCPI, vem trazendo aos espaços do Centro Histórico, diversas manifestações da cultura baiana e desenvolvendo ações que busquem valorizar o artista da terra. Já passaram pelas ruas, largos e praças do centro antigo da capital baiana, além das tradições do Recôncavo Baiano, a cultura do sertão, das periferias da capital baiana, a tradição dos afoxés e do sincretismo religioso.

 

A programação até o Natal será pautada também na Cultura Popular e recebe o título de Festas da Diversidade no Pelô. Toda decoração e atrações promoverão um passeio original e diferente, quando misturarão, a partir de hoje (10), a tradição universal dos festejos natalinos à beleza da tradição local. O papai Noel estará com um figurino de cangaceiro, o público poderá ver manifestações de terno de reis, maracatus, boiadas, espetáculos de dança e música com o tempero especial da cultura nordestina. A festa para o menino Jesus começará neste sábado, às 19h, nas ruas do Centro Histórico com apresentações do Terno da Lua e Terno dos Astros e às 20h, no Largo do Pelourinho, com o Coral das Crianças de Salvador, coordenado pelo Maestro Keiler Rêgo, o Coro e Orquestra Graça em Arte e Adoração Cantanda Natal é Deus por Nós. A programação é diária, com diversas atrações e segue até o dia 25 de dezembro com a Missa de Natal na Catedral Basílica, no Terreiro de Jesus.