Profissionais dão dicas de beleza para pele negra

In Moda
18 de novembro de 2016
por Genilson Coutinho

Cores fortes são lindas e permitidas (Foto: Angeluci Figueiredo/CORREIO) – See more at: http://www.correio24horas.com.br/blogs/afrofashionday/2016/11/18/maquiadores-dao-dicas-de-beleza-para-pele-negra/#sthash.sZPLJHBr.dpuf

A população negra brasileira é diversa em traços, formas e tons. Essa pluralidade finalmente passou a ser observada e considerada pelas marcas de cosméticos que estão criando mais opções de cores para bases, corretivos e pós compactos para peles negras. E, ao lado dos debates sobre a “revolução cacheada e crespa” que tem ocorrido no Brasil, os tutoriais de make publicados na internet e as formações sobre beleza com foco em empoderamento negro através da estética ganharam gosto e visibilidade no país. Segundo a maquiadora de São Paulo, Daniele Da Mata, que esteve em Salvador neste mês para realizar um workshop sobre automaquiagem para pele negra, com apoio da MAC Cosmetics, o mercado brasileiro avançou nos últimos cinco anos. “Eu acompanhei de perto as mudanças pelo fato de estagiar em uma fábrica de cosméticos aos 15 anos. Mas a maior dificuldade ainda é o acesso às informações para este nicho”. A criadora do projeto Negras do Brasil, que já circulou por diversas cidades do país, acredita que o primordial para pessoas negras é o autoconhecimento. “Somos belos. Estamos em um processo de reconhecimento”. Para o hairstylist e maquiador Alberto Alves, que maquia e cuida dos cabelos de artistas negros como a cantora Larissa Luz e o cantor Fióti, ainda é preciso ampliar o debate para quebrar tabus. “Muitas pessoas negras acham que a maquiagem para esse tipo de pele é inatingível, porque como não são contemplados em marcas mais acessíveis, acabam optando por outras com mais variedade na gama de cores. Ou seja, geralmente são bons cosméticos, só que com custo maior”.

O maquiador acredita também que apesar da publicidade e da mídia já mostrarem mais mulheres negras em comerciais e campanhas, a visibilidade ainda é muito pouca. “Estamos tendo evoluções nessa questão, mas dizer que está ok, 100%, ainda não está. Sou negro, entendo muito das cores para meu pigmento. Mas como trabalho com peles brancas e negras, sei que a dificuldade é para os tons escuros”. Como dica para entender melhor sobre o tema, o baiano sugere “pesquisa na internet, leitura de revistas, assistir vídeos e testar as maquiagens sem medo”. Segundo Dino Neto, maquiador com experiência em produções para programas televisivos e responsável pela beleza dos modelos e convidados que desfilam domingo, no Afro Fashion Day, felizmente os estereótipos estão em desconstrução. “Acabou essa história de que pessoas negras não podem usar vermelho na boca, azul no olho. Isso é preconceito. São coisas do passado que hoje não cabem mais no nosso discurso. As pessoas são bonitas como são e a maquiagem ajuda a ressaltar as belezas delas”.

Dino Neto

Programação O evento gratuito começa no sábado, 19, com oficinas e bate-papos nos turnos da manhã e da tarde no Senac da Rua Chile, Pelourinho. É preciso fazer a pré-inscrição. Domingo, 20, a programação começa com a exposição Visu no Pelô, na Praça da Cruz Caída. A partir das 15h, o local receberá o lounge do Shopping da Bahia e o estande Faculdade da Cidade, além do Espaço Kids. As crianças vão poder se divertir com artes circenses (malabares, monociclo, perna de pau), pintura de rosto e dança de rua. O desfile acontece ao pôr do sol, às 17h30, com participação de 45 marcas, 60 modelos e cerca de dez convidados. O Afro Fashion Day é uma realização do CORREIO com patrocínio do Shopping da Bahia, HapVida e Faculdade da Cidade, apoio do Senac e Eudora e apoio institucional da prefeitura de Salvador.
Do Correio