Primeira jornalista trans do Brasil lamenta preconceito no mercado de trabalho

Comportamento, Social
7 de fevereiro de 2019
por Genilson Coutinho

Após demissão da TV Aratu, a baiana Alana Rocha , primeira jornalista trans do Brasil, tem passado por dificuldades. A jornalista relata que conta apenas com a ajuda da mãe.
Alana gravou um vídeo para o perfil: “Virei Jornalista para falar da dificuldade de se encontrar um emprego, além do preconceito sofrido no mercado de trabalho”. Bastante triste, a repórter tem recebido muitas mensagem de carinho e desabafos de colegas de profissão sobre a falta de respeito e o preconceito .

Na pequena Riachão de Jacuípe, cidade a 186 quilômetros de Salvador, Alana Adrielle, de 37 anos,  desenvolveu o blog Hora da Verdade onde mescla reportagens policiais,  sobre acidentes e propagandas do comércio local. Os vídeos, a maioria com média de 5 mil visualizações, lhe credenciaram para um voo mais alto: esse mês Alana ‘esqueceu’ o ‘Adrielle’, passou a assinar seu sobrenome Rocha e tornou-se a primeira a jornalista transexual a ser repórter de um programa policial no Brasil.

Caso você tenha uma oportunidade de trabalho para essa grande profissional, basta fazer contato pelo seguinte telefone . (75)  99198-9646

View this post on Instagram

Após demissão da TV Aratu, a baiana @alanarochareporter, primeira jornalista trans do Brasil, tem passado por dificuldades. A jornalista relata que conta apenas com a ajuda da mãe. Alana gravou um vídeo para o @vireijornalista onde relata as dificuldades de se encontrar um emprego, além do preconceito sofrido no mercado de trabalho. Atenção assessorias. #soujornalista #doistercos #imprensa #trans #mercadodetrabalho

A post shared by Dois Terços (@doistercos) on