Prêmio Braskem de Teatro destaca os melhores das artes cênicas em 2018; conheça os vencedores

No Circuito, Teatro
16 de maio de 2019
por Genilson Coutinho

Espetáculo Por Que Hécuba – vencedor na categoria Adulto

Por que Hécuba, O Mundo das Minhas Palavras O Teatro é de Cordel foram os vencedores das categorias Espetáculo Adulto, Espetáculo Infantojuvenil e Espetáculo do Interior da Bahia, respectivamente do 26º Prêmio Braskem de Teatro. A cerimônia de entrega da 26ª edição da mais tradicional premiação das artes cênica baianas foi realizada na noite dessa quarta-feira (dia 15), no palco principal do Teatro Castro Alves (TCA), em Salvador. O Prêmio Braskem de Teatro é uma realização da Caderno 2 Produções e patrocinado pela Braskem e Governo do Estado, através do Fazcultura, Secretaria de Cultura e Secretaria da Fazenda.

Luis Alonso conquistou o troféu de Direção por Teatro de La Independencia, já Gil Vicente Tavares venceu na categoria Texto pela peça As Tentações de Padre Cícero. João Guisande levou a estatueta na categoria Ator, pelo desempenho nas peças Por esse amor e Retratos Imorais, e Evelin Buchegger foi escolhida melhor Atriz porTeatro de La Independencia. Luciano Bahia recebeu o troféu na categoria Especial pelo conjunto das direções musicais em 2018 e a atriz Bárbara Machado venceu na categoria Revelação pela atuação em Jackie – A do Mal! Ou não … Nem tudo é o que parece. Os vencedores das categorias de melhores espetáculos Adulto, InfantojuvenilInterior da Bahia receberam R$ 30 mil, enquanto os contemplados nas outras seis categorias receberam R$ 5 mil cada, além de troféus.

View this post on Instagram

Tem Diva do transformismo no @premiobraskem @bagageryerspilberg no palco do #tca na premiação dos melhores do teatro baiano. #doistercos #diva #luxo

A post shared by Dois Terços (@doistercos) on

O Prêmio Braskem de Teatro avaliou 61 peças teatrais baianas profissionais e inéditas, que estiveram em cartaz em Salvador de 11 de abril a 23 de dezembro de 2018. A 26º Comissão Julgadora foi integrada por: Adelice Souza, diretora teatral, dramaturga e escritora; Fernanda Tourinho, produtora cultural; Fernando Marinho, músico, ator, diretor, artista visual e presidente do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado da Bahia (SATED Bahia); Paulo Henrique Alcântara, dramaturgo, diretor teatral e professor doutor da Escola de Teatro da UFBA; e Zuarte Júnior, artista plástico e cenógrafo. Nesta edição, em parceria com o Festival de Teatro do Interior da Bahia, cinco espetáculos concorreram na categoria Espetáculo do Interior.

Com o tema Jorge Amado na batida da cena, o evento dirigido por Luiz Marfuz propôs uma reflexão artística sobre algumas obras do escritor baiano que inspiraram adaptações para o teatro e o cinema. Coube aos atores Amaurih Oliveira, Frank Menezes e Zeca de Abreu, e a atriz e cantora Larissa Luz darem vida aos personagens de Jorge, numa releitura para os tempos atuais. A cerimônia que mesclou música, dança, teatro e audiovisual, teve ainda a participação do coro cênico-musical composto por: Anderson Dantas, Clara Paixão, Ela Nascimento, Danilo Cairo, Daniel Farias, Fernanda Silva, Fernando Santana, Josy Varjão, Mariana Borges, Ridson Reis.

A importância da Universidade Federal da Bahia (Ufba) foi ponto marcante nos discursos dos vencedores. A atriz Bárbara Machado, vencedora na categoria Revelação, reconheceu sua formação na Escola de Teatro da Ufba. “Nesse cenário de incertezas de direitos da pessoa humana, agradeço a Universidade Federal da Bahia, centro de excelência de ensino e pesquisa. Nossa querida universidade, minha eterna casa, que promove o despertar crítico e atuante”, ressaltou.

Márcio Meireles, que dirigiu a peça vencedora na categoria melhor espetáculo adulto com Por que Hécuba, também ressaltou a importância dos investimentos em educação e cultura para promover mudanças na sociedade. Ele também reconheceu o papel do Teatro Vila Velha. “Esse teatro é um palco aberto de colaboração e liberdade. Só assim conseguimos fazer teatro. Esse palco vai continuar a existir, porque esse é um momento de esperança, onde o teatro vai continuar falando e a gente pergunta porquê?”.

Durante seu discurso, o ator Hilton Cobra, um dos homenageados da cerimônia dirigida por Marfuz, também destacou o poder da arte e cultura na transformação da sociedade. “A arte é o extrato da cultura de um povo e pode fazer diferença para uma nação”, disse em um discurso aplaudido.

Também homenageada, a atriz Zezé Motta recebeu a estatueta do amigo Hilton Cobra, a quem ela chamou de ídolo. A filha de Jorge Amado, Paloma, subiu ao palco ao lado de Cecília Amado, Maria João e Júlia Amado. Ela falou da emoção de assistir ao espetáculo e ver seu pai em um papel central. “Não podia imaginar nunca que teria a presença viva de meu pai e minha mãe. Eu assisti à cerimônia tremendo ao ver meu pai e minha mãe junto comigo e mais três gerações da nossa família (filha, netas e bisneta). Todas as pessoas que partiram e foram citadas estão conosco, querendo que a gente lute, porque esse é um momento de esperança”, conclui.

CONFIRA OS VENCEDORES DO 26º PRÊMIO BRASKEM DE TEATRO:

ESPETÁCULO ADULTO

  • As Tentações de Padre Cícero
  • Em Família
  • Oxum
  • Por que Hécuba?
  • Teatro La Independência

 ESPETÁCULO INFANTOJUVENIL

  • Gramelôs e Garatujas
  • O Barão Nas Árvores
  • O Mundo Das Minhas Palavras
  • Ponta D’areia, Pedaço Do Céu
  • Quem Vai é O Coelho

 ESPETÁCULO DO INTERIOR DA BAHIA

  • Encarceradas (Feira de Santana)
  • Enquanto os Dias São Mortos (Paulo Afonso)
  • Mulheres Malês – Nas Margens do Rio (Lauro de Freitas)
  • O Grande Yorick (Ilhéus)
  • O Teatro é de Cordel (Jequié)

 TEXTO

  • Gil Vicente Tavares, por As Tentações de Padre Cícero
  • Paulo Atto, por Teatro La Independência
  • Vinicius Bustani, por Criança Viada Ou De Como Me Disseram Que Eu Era Gay
  • Fernando Santana, por Frida Kahlo
  • Wanderley Meira, por O Mundo Das Minhas Palavras

 DIREÇÃO

  • Diego Pinheiro, por Quasilhas
  • Gil Vicente Tavares, por As Tentações de Padre Cícero
  • Leonardo Santolli, por Consertam-se Imóveis
  • Luis Alonso, por Teatro La Independência
  • Marcio Meirelles, por Por que Hécuba?

 ATOR

  • Genário Neto, por Memórias do Mar Aberto – Medéia Conta Sua HistóriaTitus – Uma Reverberação da Obra de Shakespeare e Madame Satã
  • João Guisande, por Por Esse Amor e Retratos Imorais
  • Lúcio Tranchesi, por As Tentações de Padre Cícero
  • Marcos Lopes, por O Barão Nas Árvores
  • Rui Manthur, por Enfermaria Nº 6

 ATRIZ

  • Chica Carelli, por Por que Hécuba?
  • Evelin Buchegger, por Teatro La Independência
  • Kátia Leal, por As Centenárias e Consertam-se Imóveis
  • Marcia Lima, por Medéia Negra
  • Vivianne Laerte, por Memórias do Mar Aberto – Medéia Conta Sua História

 REVELAÇÃO

  • Bárbara Lais, pela Atuação em Jackie – A do Mal ou Nem Tudo é O Que Parece
  • Natalie Souza, pela Atuação em A Rede – Memórias Compartilhadas
  • Sophia Colleti, pela Direção de Enfermaria Nº 6
  • Vagner Jesus, pela Atuação em V de Viado

 CATEGORIA ESPECIAL

  •  Ubiratan Marques e André Oliveira, pela Direção Musical de Quasilhas
  • Andrea Rabelo e Joice Aglae, pelo Figurino de Confabulações
  • Luciano Bahia, pelo Conjunto das Direções Musicais do Ano de 2018
  • Thiago Romero, pela Direção de Arte de Oxum
  • Mônica Nascimento, pela Direção de Movimento nos espetáculos O Último CapítuloO Mundo das Minhas PalavrasConsertam-se Imóveis e Enfermaria Nº 6