Prêmio Braskem de Teatro comemora 25 anos e anuncia os destaques do teatro baiano

No Circuito, Teatro
14 de junho de 2018
por Genilson Coutinho

O ator baiano Antonio Pitanga, um dos homenageados da noite (Foto: Carlos Casaes / Ag. BAPRESS)

Um Vânia, de Tchekhov e Virgulino Menino, Futuro Lampião venceram as categorias Espetáculo Adulto e Espetáculo Infantojuvenil, respectivamente, da 25ª edição do Prêmio Braskem de Teatro. O anúncio dos destaques do teatro baiano em 2017 foi feito durante cerimônia de entrega dos troféus, na noite dessa quarta-feira (13/06), no palco principal do Teatro Castro Alves (TCA), em Salvador. Este ano, a mais importante premiação das artes cênicas do estado, completou 25 anos. O Prêmio Braskem de Teatro é uma realização da Caderno 2 Produções e patrocinado pela Braskem e Governo do Estado, através do Fazcultura, Secretaria de Cultura e Secretaria da Fazenda.

“Esta é mais uma noite que ficará marcada na história do teatro baiano. São 25 anos do Prêmio Braskem de Teatro, que não só reconhece o trabalho dos artistas e técnicos baianos que se destacam anualmente, como, ao longo desses anos, valoriza e incentiva toda a engrenagem que envolve a produção teatral em nosso estado”, afirma Milton Pradines, gerente de Relações Institucionais da Braskem na Bahia e Alagoas.

Gil Vicente Tavares, conquistou o troféu de Direção pelos espetáculos Os Pássaros de Copacabana e Um Vânia, de Tchekhov; já Luiz Marfuz venceu na categoria Texto pela peça Traga-me a Cabeça de Lima Barreto. Marcelo Praddo levou a estatueta na categoria Ator, pelo desempenho nas peças Os Pássaros de Copacabana e Um Vânia, de Tchekhov, e Mariana Moreno foi escolhida melhor Atriz por Uma Mulher Impossível. Os vencedores das categorias de melhores espetáculos Adulto Infantojuvenil receberam R$ 30 mil, enquanto os contemplados nas outras seis categorias receberam R$ 5 mil cada, além de troféus.

Um ponto alto da noite foi a homenagem especial ao ator baiano Antonio Pitanga. “Quero pedir a benção à todas as entidades, no dia de Santo Antônio, meu Ogum, que continuem me abençoando”, abriu seu discurso. Pitanga lembrou que Glauber Rocha o aconselhou a fazer teatro e estendeu o conselho às novas gerações: “O ator tem que fazer teatro, sua casa, seu pilar. Tudo começa pelo teatro. Esse prêmio é uma revisitação à minha Bahia, ao meu povo, à minha família do teatro, das artes, da música, da literatura, do cinema, da capoeira. Neste templo sagrado, me chamam para ser homenageado em vida. Muito obrigado minha Bahia. Viva minha Bahia”, ressaltou o ator, bastante emocionado.

Letícia Bianchi, vencedora da categoria Revelação pela direção do espetáculo Eudemonia, dedicou o prêmio às grandes mulheres do teatro. O ator Lucas Sicupira, representando todo o elenco de Virgulino Menino, Futuro Lampião, espetáculo vencedor na categoria Infantojuvenil, agradeceu o Prêmio Braskem de Teatro e ressaltou a importância do teatro nas escolas para a formação de atores e principalmente de plateia.

A atriz Mariana Moreno agradeceu ao Prêmio Braskem de Teatro e ao olhar sensível da comissão julgadora pela avaliação do espetáculo Uma Mulher Impossível. “Ter um trabalho reconhecido é sempre bom, e por esse espetáculo que dá voz a muitas mulheres, em especial. Viva o teatro”, destacou. O ator Leno Sacramento, do Bando de Teatro Olodum, baleado na perna numa ação policial na tarde dessa quarta-feira foi lembrado, assim como o movimento em defesa da regulamentação da profissão de artista.

Foram avaliadas 61 peças teatrais baianas profissionais e inéditas, que estiveram em cartaz em Salvador de 1º de abril a 17 de dezembro de 2017. Essas montagens concorrem as oito categorias do Prêmio: Espetáculo Adulto, Espetáculo Infantojuvenil, Direção, Ator, Atriz, Texto, Revelação e Categoria Especial. Integraram a Comissão Julgadora da 25ª edição do Prêmio Braskem de Teatro: Bertrand Duarte, ator e apresentador; Cristiane Mendonça, atriz; Edvar Passos, arquiteto, diretor teatral e dramaturgo; Mauricio Pedrosa, ator, diretor, cenógrafo e bonequeiro; e Warney Jr.,dançarino, ator, coreógrafo e professor de dança de salão.

Com direção artística de Luiz Marfuz, a cerimônia de premiação teve como tema A arte é livre. O espetáculo passeou pela rica história de 2.500 anos do teatro, para refletir sobre a liberdade da criação artística e o cerceamento artístico vividos nos últimos tempos. A condução da cerimônia ficou a cargo dos atores baianos Harildo Déda, Valdineia Soriano, Cyria Coentro e Hilton Cobra, além de Leandro Villa, como ator convidado. A atriz e cantora Laila Garin, junto com 12 dançarinos, foram responsáveis pelo um dos momentos mais emocionante da noite. Ela interpretou Cálice, canção de Chico Buarque e Gilberto Gil, censurada durante a ditadura militar no Brasil. Outra participação da Laila bastante aplaudida foi quando cantou Como Nosso Pais, de Belchior, acompanhada dos músicos Alexandre Lins (pandeiro) e Gelber Oliveira (piano).

A cerimônia do Prêmio Braskem de Teatro ainda reverenciou o trabalho do maquiador e cabeleireiro Deo Carvalho, que compartilhou a homenagem com todos que se dedicam ao teatro, em especial a Eliana Pedroso, Cristiane Mendonça e Vadinha Moura. A premiação prestou homenagens póstumas para a atriz e diretora teatral Ivana Chastinet, morta em agosto de 2017, aos 54 anos de idade; e para a atriz Frieda Gutmann, que morreu em janeiro de 2018, aos 67 anos.

 CONFIRA OS VENCEDORES DO 25º PRÊMIO BRASKEM DE TEATRO:

 ESPETÁCULO ADULTO

  • Um Vânia, de Tchekhov

 ESPETÁCULO INFANTOJUVENIL

  • Virgulino Menino, Futuro Lampião

 DIREÇÃO

  • Gil Vicente Tavares, pelos espetáculos Os Pássaros de Copacabana e Um Vânia, de Tchekhov

 ATOR

  • Marcelo Praddo pelos espetáculos: Os Pássaros de Copacabana e Um Vânia, de Tchekhov

 ATRIZ

  • Mariana Moreno pelo espetáculo Uma Mulher Impossível

TEXTO

  • Luiz Marfuz por Traga-me a Cabeça de Lima Barreto

 REVELAÇÃO

  • Letícia Bianchi pela Direção do espetáculo Eudemonia

 CATEGORIA ESPECIAL

  • Gerônimo Santana pela Composição Musical do espetáculo De Um Tudo