Piadas homofóbicas em cursinhos são vetadas após protesto de alunos

Comportamento, Social
12 de agosto de 2014
por Genilson Coutinho

curso

Em São Paulo, alunos reclamaram com os pais do conteúdo discriminatório usado pelos professores e o comportamento deles mudou.

Acostumados a fazerem piadas e até dançar e cantar para tornar as aulas menos enfadonhas, os professores abusavam de homofobia em suas “aulas-show”.

Os alunos – especialmente as meninas – se sentem incomodados com as brincadeiras que incluem, além de homofobia, conteúdo racista, sexista e de discriminação das classes mais baixas. Vários profissionais mudaram suas atitudes após as direções dos colégios os alertarem.

Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, um professor do Anglo, um dos cursinhos mais tradicionais e caros da capital paulista, diz que é brincadeira dentre os meninos chamar os professores de “bicha” e “veado”. No começo deste ano, ele passou de sala em sala para informar: “Se eu for conivente, como sempre fui, estarei permitindo que vocês usem a palavra gay com sentido pejorativo. E não tem. Não permito mais”.

E ele concluiu: “Entre 80 pessoas entenderem e 20 pessoas acharem que você está incentivando alguma coisa, é melhor não fazer piada. O incrível é que, dez anos atrás, você podia contar piada de preto, de português. Ao mesmo tempo, era inimaginável ter dois meninos se beijando no cursinho como temos agora”.

Jorge Ovaldo, gerente de marketing do Intergraus, outro cursinho badalado, diz que as queixas, em geral, são fruto de má compreensão, mas que “a instrução é não brincar”. Luís Ricardo Arruda, coordenador-geral do Anglo, afirma que a recomendação é tratar os alunos com respeito. “As piadas têm de ser adaptadas ao seu tempo”, diz à reportagem.