Pesquisa traça perfil da população LGBT+

Slider
14 de setembro de 2020
por Genilson Coutinho

Observatório G

A pesquisa, de caráter nacional, teve o objetivo de produzir dados demográficos, sociais e econômicos da população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, transgêneras, intersexuais e demais identidades de gênero e orientações sexuais (LGBTI+), para subsidiar as ações e decisões das organizações da sociedade civil e do poder público, contribuindo assim para a elaboração de políticas públicas em favor dos direitos humanos das pessoas LGBTI+.

Das 8.918 repostas coletadas por questionário on-line, 47,0% estava entre 25 e 29 anos. Também no nível de instrução a amostra da população LGBTI+ é mais escolarizada que a sociedade brasileira: 50,8% terminou ou está terminado o ensino superior; 48,2% mora com pai e/ou mãe heterossexuais, sendo que a renda familiar de 22,1% estava entre 3 e 5 salários mínimos e de 21,5%, entre 5 e 10 salários mínimos – importante pontuar que o percentual é puxado para cima pelas respostas das pessoas brancas, que tem renda maior que pardas e pretas/negras. Ainda do total, 15,7% respondeu que não tem nenhuma religião ou crença, mas o maior percentual foi de pessoas católicas (21,2%) – no entanto, mesmo entre as católicas, 85,4% acredita que a religião não necessariamente torna uma pessoa melhor.

Nos chama a atenção que, do total, 62,5% responderam que já pensaram em suicídio e 52,6% já sofreram algum tipo de violência LGBTIfóbica. Das que já sofreram violência, 28,2% informou que o local desta violência foi na rua, vizinhança, parque ou outros locais públicos; 22,4% na escola, faculdade, universidade ou cursinho e, 18,5% na própria casa.

O e-book pode ser acessado e baixado gratuitamente pelo site do IBDSEX, clicando aqui ou no link abaixo. <https://www.ibdsex.org.br/collection/ensaios-sobre-o-perfil-da-comunidade-lgbti/>.

Deixe seu comentário

Sem comentários, seja o primeiro.