Pesquisa da USP São Carlos testa proteína de trepadeira no combate ao vírus HIV

Notícias
25 de agosto de 2017
por Genilson Coutinho

Proteína chamada puchelina é extraída da semente da trepadeira, segundo pesquisadores da USP de São Carlos (Foto: Reprodução/ EPTV)

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), em São Carlos, em parceria com a Universidade da Louisiana, nos Estados Unidos, testam uma substância para combater o vírus HIV. Os cientistas extraíram da semente de uma trepadeira, planta encontrada na região Nordeste do país, uma proteína chamada puchelina. Nos testes, ela matou 90% das células infectadas.

Segundo a pesquisadora Ana Paula Ulian Araújo, as sementes da planta Abrus pulchellus tenuiflorus são tóxicas e, se ingeridas, podem matar.

Efeito em células doentes

A proteína da semente foi ligada a anticorpos produzidos no laboratório. Os pesquisadores testaram a substância em células com o vírus HIV, fornecidas por um hospital norte-americano.

Nos testes feitos no Instituto de Física da USP, eles descobriram que a mistura da proteína puchelina com os anticorpos identifica somente as células doentes, matando o HIV. Já os glóbulos brancos sadios não são atingidos.

O pesquisador iraniano Mohammad Sadraeian, que coordenou os testes, explicou que a substância age em pouco tempo e 90% das células infectadas com o vírus HIV morrem em dez minutos.

O resultado acaba de ser publicado em um dos principais sites de divulgação científica do mundo, o Scientific Reports, que reúne artigos da revista Nature.

Pesquisa usa substância tóxica para combater o vírus HIV na USP de São Carlos (Foto: Reprodução/ EPTV)

Combate a ‘vírus escondidos’

Em todo o país, quase 830 mil pessoas são portadoras do HIV e, segundo o Ministério da Saúde, são 41 novos casos por ano. Hoje, os medicamentos matam apenas os vírus que estão circulando no organismo e, geralmente, provocam diarreia, vômito e manchas.

A substância produzida na USP, consegue eliminar também os vírus que estão ‘escondidos’ no corpo, em lugares como o sistema linfático e em partes do intestino.

“A gente percebeu que esse composto age diretamente nas células onde os vírus estão, praticamente, dormindo ali. Muitas vezes essas células estão localizadas no sistema linfático, de difícil acesso, e a gente espera também que no futuro essa substância seja aplicada com o mínimo de efeito colateral”, disse Francisco Guimarães, professor do Instituto de Física de São Carlos (IFSC).

Testes em macacos e humanos

A próxima fase é testar a substância em macacos e depois em humanos. “É o começo muito positivo que pode trazer, a partir de estudos então posteriores, quem sabe a tão desejada cura da Aids. É claro que a gente não pode dizer isso agora, mas o potencial existe e é muito promissor”, disse a pesquisadora da USP.