Pererê do Brasil chega à Caixa Cultural Salvador

Arte e Exposições, No Circuito
20 de agosto de 2015
por Genilson Coutinho
O escritor Ziraldo inaugura a exposição, pessoalmente, no dia 29 de setembro

O escritor Ziraldo inaugura a exposição, pessoalmente, no dia 29 de setembro

A CAIXA Cultural Salvador apresenta, de 29 de setembro a 29 de novembro de 2015, a exposição inédita “Pererê do Brasil”, baseada no personagem mais autêntico da turma mais brasileira das histórias em quadrinhos criadas por Ziraldo. A mostra vai explorar o surgimento, desenvolvimento e os desdobramentos da Turma do Pererê. A visitação acontece das 9h às 18h, com acesso gratuito. A CAIXA Cultural Salvador fica na Rua Carlos Gomes, 57, no centro de Salvador.

O personagem Pererê, de Ziraldo Alves Pinto, é uma das expressões mais legítimas do folclore brasileiro. Apesar de ter sido criado na década de 1960, suas histórias continuam atuais, pois valorizam o meio ambiente e a inclusão social.

Ambientada como a Mata do Fundão, a exposição vai mostrar os personagens em tamanho ampliado. Uma seleção de histórias completas será exibida em quadrinhos; as 43 capas da revista Pererê serão restauradas, ampliadas e reproduzidas nas paredes; protegidas por vidro, estarão expostas edições originais e algumas pranchas com desenhos inéditos; em uma das salas da galeria, monitores exibirão 17 histórias em quadrinhos animados.

 Linguagem dos quadrinhos:

Toda a identidade visual da mostra será baseada na linguagem das histórias em quadrinhos. Alegria e humor serão os fios condutores da exposição interativa, que busca valorizar os aspectos regionais da cultura brasileira e atrair tanto o público infantil quanto os apaixonados por quadrinhos de todas as idades.

A exposição contará, ainda, com personagens em diversas mídias, como TV, teatro, desenhos animados, quadrinhos animados em formato digital, material gráfico de produtos licenciados, publicações de revistas e livros de várias editoras, campanhas publicitárias e cartilhas educativas.

O público receberá o catálogo em formato de revista comic books, contendo apresentação, ficha técnica da exposição, tiras inéditas, cruzadinhas, caça-palavras, liga-pontos e jogo dos sete erros. O autor estará presente na abertura da temporada para um bate-papo com os visitantes e, no dia 1º de outubro, para abrir o mês das crianças recebendo alunos de escolas públicas para uma visita guiada.

A Turma do Pererê:

O objetivo principal da mostra é revisitar, compreender e reconstruir, de forma lúdica, a trajetória deste personagem tão brasileiro e de sua turma, em suas diversas fases, em diferentes e importantes veículos e editoras do País ao longo de 55 anos, completados em 2015.

A exposição vai resgatar as histórias do Pererê e mostrar como ele e sua eclética turma surgiram. Entre os personagens estão o indiozinho Tininim e alguns animais típicos da fauna brasileira, como o macaco Alan, o jabuti Moacir, o tatu Pedro Vieira, o coelho Geraldinho e a onça Galileu, que, como nas fábulas, interagem com os humanos.

Além deles, está sempre presente a coruja Professor Nogueira, esclarecendo dúvidas. As estórias têm a marca do autor, que consegue unir a leveza do humor e da ingenuidade à postura crítica diante da realidade social e política brasileira.

O autor:

Artista consagrado, Ziraldo é um ícone da produção voltada ao público infanto-juvenil. Pererê foi personagem da primeira revista em quadrinhos brasileira, em cores, de um único autor. A Turma do Pererê foi lançada em 1º de outubro de 1960, pelos Diários Associados, e publicada ininterruptamente ao longo de quatro anos, com a impressionante tiragem mensal de 120 mil exemplares.

Objeto de mais de uma dezena de teses de mestrado, tema de livros, além de personagem de campanhas publicitárias e institucionais, o Pererê gerou muitos subprodutos, como seriados e um especial para televisão, LP, musical de teatro, livros didáticos, selo dos correios, cartões telefônicos, cartilhas educativas, adesivos e campanhas educacionais.

A revista é considerada por alguns críticos um retrato da década de 1960. Na opinião de M. Feijó, em “Os Quadrinhos em Ação – Um Século de História”, o Pererê “é a mais nacional de todas as experiências quadrinísticas”. Já para o estudioso dos quadrinhos Moacy Cirne, falecido em janeiro de 2014, o Pererê foi tão importante no cenário brasileiro quanto o Cinema Novo, a Bossa Nova, a poesia concreta e demais manifestações culturais da época.