Pacientes que emagreceram após cirurgia bariátrica vão disputar torneio inédito de futsal, no dia 5 de agosto

Serviços
19 de julho de 2017
por Genilson Coutinho

O cirurgião bariátrico Dr. Erivaldo Alves, diretor do NTCO

Um torneio de futebol de salão inédito vai reunir quatro equipes com uma característica marcante em comum: os jogadores eram obesos e eliminaram muitos quilos após se submeterem à cirurgia bariátrica. O 1º Torneio de Futsal NTCO acontece no próximo dia 5 de agosto, a partir das 8 horas, no Instituto Baiano de Reabilitação (IBR), Av. Presidente Vargas, 2974, Ondina. Os ingressos são limitados e podem ser trocados por dois quilos de alimentos não perecíveis até o dia 2 de agosto na sede do NTCO. Todos os alimentos doados pelo público serão revertidos para uma instituição filantrópica.

A iniciativa integra o Movimento contra a Obesidade, um projeto do NTCO (Núcleo de Tratamento e Cirurgia da Obesidade), que visa o combate à obesidade e a promoção da saúde e do bem estar através do estimulo a prática de atividades físicas e desportivas. “Após o emagrecimento, o grande de desafio é a manutenção do peso perdido”, afirma o cirurgião bariátrico e diretor do NTCO, Erivaldo Alves, que destaca a importância da atividade física para manutenção do peso adequado.

Quatro equipes, formadas por pacientes pós-bariátricos, médicos e colaboradores da clínica, vão disputar o torneio, que seguirá as regras da CBFS (Confederação Brasileira de Futsal) com pequenas adaptações. As equipes serão sorteadas em duas chaves e vão fazer o confronto em turno único. As duas equipes que vencerem os jogos iniciais vão disputar o título de campeão.

Obesidade

De acordo com a última Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), realizada pelo Ministério da Saúde, 19,9% da população soteropolitana está obesa, índice que supera a média nacional. A obesidade contribui para o surgimento de várias doenças que comprometem a qualidade de vida do brasileiro e podem levar à morte.

O excesso de peso é um dos principais fatores de risco para hipertensão, diabetes mellitus tipo 2, apneia do sono (parada respiratória involuntária durante o sono), alguns tipos de câncer, doenças cardiovasculares, colesterol alto, esteatose hepática (acúmulo de gordura nas células do fígado), artropatias (doenças das articulações), distúrbios hormonais, depressão e outros transtornos psicológicos, dentre várias outras doenças sérias e complicações.

Considerada uma doença crônica, multifatorial, progressiva e que pode causar a morte precoce, a obesidade resulta de um desequilíbrio entre a quantidade de calorias ingeridas e a quantidade gasta, causando acúmulo de gordura. A doença é reconhecida hoje como importante problema de saúde pública.

A prática de esportes é uma das principais aliadas na prevenção da obesidade e das inúmeras doenças associadas ao excesso de peso.

Cirurgia Bariátrica

O tratamento cirúrgico é recomendado em casos específicos, quando o grau de obesidade ou de doenças associadas com risco de morbidade torna a cirurgia uma alternativa mais eficaz e resoluta.

O Brasil ocupa o segundo lugar no mundo no ranking da cirurgia bariátrica, atrás apenas dos Estados Unidos. Somente em 2015, 93,5 mil cirurgias de redução de estômago foram feitas em todo o país, o que representa um aumento de 6,25% em relação ao ano de 2014, quando 88 mil pessoas realizaram o procedimento.

Além de tratar a obesidade, a cirurgia também apresenta um alto índice de resolução de doenças associadas ao excesso de peso, como diabetes, hipertensão e esteatose hepática. “Após o procedimento, o paciente recupera sua saúde, qualidade de vida e autoestima”, conta o cirurgião Erivaldo Alves.

Apesar de ser bastante segura, a cirurgia bariátrica apresenta riscos como qualquer procedimento cirúrgico. “Cada caso precisa ser avaliado cuidadosamente. A análise do paciente envolve vários exames clínicos e laboratoriais. É importante que o paciente esteja bem informado sobre o procedimento, o pré e o pós-operatório e os hábitos que terá que adotar após a cirurgia”, esclarece o especialista. “A indicação cirúrgica pode ser feita dos 18 aos 65 anos”, explica.

A cirurgia deve ser realizada em centros especializados e o paciente precisa ser acompanhado por uma equipe multidisciplinar.

Sobre o NTCO

Com 16 anos de fundado, o Núcleo de Tratamento e Cirurgia da Obesidade (NTCO) atua no tratamento clínico e cirúrgico da obesidade e suas comorbidades. Como agente social na luta contra a doença, o NTCO conta com equipe multidisciplinar com cirurgiões, endocrinologista, oncologista, fonoaudiólogo, nutricionista, psicólogo, pneumologista, educador físico e fisioterapeuta, oferecendo todo suporte necessário para uma abordagem integral do paciente. A clínica é dirigida pelo cirurgião bariátrico, Erivaldo Alves, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM).