Orquestra Afrosinfônica lança seu primeiro CD com show gratuito em Salvador

Música
29 de janeiro de 2015
por Genilson Coutinho


Fundada em 2009, a Orquestra Afrosinfônica lança “Branco”, seu primeiro CD, em Salvador. O concerto gratuito acontece dia 4 de fevereiro, às 20h, na arena do Teatro Sesc Pelourinho, com a participação especial de Mateus Aleluia, compositor e pesquisador musical do extinto grupo Tincoãs. Na ocasião, o CD será posto à venda para o público pelo valor de R$20.

Em novembro de 2014, a Orquestra Afrosinfônica viajou até São Paulo e fez, no Parque Ibirapuera, o lançamento nacional do seu primeiro CD. O show gratuito teve a participação especial de Chico César e foi muito aplaudido pelo público paulista. A TV Globo São Paulo, que quase não exibe atrações musicais em seus telejornais, se encantou pelos vídeos da Orquestra disponíveis no Youtube e realizou entrevista seguida de música ao vivo no estúdio do SP TV 1a edição, à véspera da apresentação na capital paulista.

A mistura entre o popular e o erudito simboliza o retorno da música às suas origens mais ancestrais. Com base em conceitos intimamente ligados à música afrobrasileira e de pesquisas sonoras realizadas no continente africano é que o maestro Ubiratan Marques teve a ideia de fundar Afrosinfônica em 2009, em Salvador. Assim, uniu as culturas destes locais sem perder o viés clássico.

Ubiratan Marques – maestro e fundador da Afrosinfônica

Ele nasceu em Salvador, onde cursou, como que num acaso da vida, Composição e Regência pela Escola de Música da Ufba. Durante doze anos morou em São Paulo, onde trabalhou como arranjador para a Jazz Sinfônica e daí nunca mais parou. Compôs trilhas sonoras para filmes, foi responsável pela direção musical de diversos concertos, arranjou discos, fez parceria com Gerônimo Santana, José Miguel Wisnik e Maria Dapaz.

Antes de morar em São Paulo, o maestro e pianista Ubiratan Marques teve intensa participação na agitação cultural de Salvador. Ele foi integrante e fundador da Reflexu’s, um dos colaboradores mais ativo da explosão da Axé Music. A banda que chegou a vender mais de 1 milhão de cópias de discos na década de 80. Ubiratan já fez arranjos sinfônicos para trabalhos de Daniela Mercury, Carlinhos Brown, Margareth Menezes, Mariene de Castro, Saulo Fernandes e Martnália, além de compor em parceria com seu Mateus Aleluia, Gerônimo Santana, Lazzo Matumbi e outros importantes artistas.

Depois, em Angola, realizou importantes pesquisas sonoras, resultado que incorporou às composições da Orquestra Afrosinfônica. Desde 2007, quando voltou a residir em Salvador, Ubiratan Marques passou a pesquisar os ritmos que dialogavam com a realidade da terra. Localizou originalidade nos estilos afro-brasileiros e suas variantes, estruturando assim os alicerces de formação da Afrosinfônica.

Orquestra Afrosinfônica – formação

O principal parceiro do maestro Ubiratan é Gilberto Santiago. Juntos, montaram em 2007 o Núcleo Moderno de Música, em um casarão no Pelourinho. Santiago, seu maestro assistente, integra a Orquestra Sinfônica da Bahia e coordena a execução da parte erudita da Orquestra Afrosinfônica. A boa sintonia da dupla atraiu músicos profissionais de bom nível técnico e grande experiência no universo musical popular baiano.

A Orquestra Afrosinfônica é formada por Ubiratan Marques, Vinícius Freitas, Léo Couto, Tukano, Renata Pitanga, Mateus Aleluia Filho, Everaldo Pequeno, Rogers Machado, Bruno Neri, Diego Rosa, Danilo Martinez, Ângelo Santiago, Marcus Sampaio, Gilberto Santiago, Nem Cardoso, Marcelo Tribal, Lucas de Gal, Jeison Wilder, Tâmara Pessoa, Nara Couto, Raquel Monteiro, e Itana Rosa.

Cada um deles trouxe seu conhecimento e se permitiu um novo aprendizado com os maestros, a fim de montar um conjunto no qual a diversidade de estilos fosse a principal virtude. O projeto “universidade musical” foi estratégico para que as composições eruditas se tornassem mais acessíveis ao público. De fato, isso se tornou real com a chegada deles.

Após 2009, o grupo evoluiu para além dos limites do antigo espaço e aos poucos tomou corpo a Orquestra Afrosinfônica como no molde atual. Hoje, 70% dos integrantes são ex-alunos e ex-professores do Núcleo Moderno de Música.

Desde o início, a Orquestra Afrosinfônica se envolveu na composição de trilhas sonoras para o cinema, como a dos documentários “Hereros”, de Sergio Guerra, e “Água de Meninos – A Feira do Cinema Novo”, de Fabíola Aquino. Realizou também parcerias com mais de 20 artistas, dentre eles Gerônimo Santana, Daniela Mercury e Mateus Aleluia.

O naipe de vozes é um diferencial da Orquestra Afrosinfônica. “Foi preciso uma ampla pesquisa sobre os cânticos em Iorubá – idioma trazido pelos escravos negros ao Brasil e ainda utilizado por seus descendentes, principalmente nos cultos do candomblé- para sintetizar a música afro, que deu origem a toda a música baiana, ligando-a à instrumentação da orquestra e gerando um espetáculo multifacetado, bem representativo da nossa brasilidade”, explica o maestro Ubiratan.

Além de São Paulo, a Orquestra Afrosinfônica já se apresentou nas cidades baianas de Cachoeira, Jequié, Camaçari, Ilhéus, Santo Amaro e Salvador, onde fez participação especial no Encontro de Pianistas, realizado no Teatro Castro Alves. Todas as apresentações foram marcadas pela presença de grande público. A itinerância pelo interior da Bahia inclui a realização de oficinas de formação em harmonia e arranjos, atraindo principalmente os jovens dos outros municípios.

BRANCO – o álbum

Este primeiro CD produzido pela Orquestra Afrosinfônica tem dez faixas originais, é financiado pela Secretaria de Cultural do Estado da Bahia (Secult-BA) e reúne os seis anos de trabalho da Orquestra Afrosinfônica. Dentre as canções de maior destaque estão “Branco”, faixa-título, além da trilogia A Feira (“Feira das Sete Portas”, “Feira de Água de Meninos” e “Feira de São Joaquim”), criada em parceria com  Mateus Aleluia.

No dia do lançamento, o CD estará à venda no Teatro Sesc Pelourinho, pelo valor de R$20. Após esta data, poderá ser encontrado em lojas especializadas, como a Midialouca, no Rio Vermelho, e Pérola Negra, nos Barris. A produção estima vender em breve também pelo site da Orquestra: www.orquestraafrosinfonica.com

SERVIÇO

Show de lançamento do CD “Branco”, da Orquestra Afrosinfônica

Participação especial: Mateus Aleluia

Dia 4 de fevereiro, às 20h

Arena do Teatro Sesc Pelourinho (Largo do Pelourinho, 19, Salvador) | Tel.: 71 3324-4520

Classificação livre

Duração: 1h20

Entrada franca