Orkestra Rumpilezz terá sede no Centro Histórico

Música, No Circuito
15 de fevereiro de 2016
por Genilson Coutinho

Com 10 anos de criada, tendo no currículo encontros com Gilberto Gil (2014), Lenine (2014 e 2015) e o norte-americano Joshua Redman (2012), além de excursões na Europa (2011 e 2014) e Estados Unidos (2015), a Orkestra Rumpilezz pode ganhar sede no Centro Histórico de Salvador (CHS). A ideia está sendo tratada pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), órgão da secretaria estadual de Cultura (SecultBA), que detém cerca de 2% dos imóveis da área do CHS tombada pelo Ministério da Cultura e nomeada pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para Educação Ciência e Cultura) como Patrimônio Humanidade.

“É fundamental desenvolver planejamento adequado e estratégias de uso do parque imobiliário do Instituto, para que não ocorra ocupação aleatória”, diz o diretor geral do IPAC, João Carlos de Oliveira. Criado em 1967, o IPAC foi responsável pelas primeiras etapas de recuperação do CHS nas décadas de 1980 e 1990, herdando imóveis que foram desapropriados pelo governo estadual.

CURSOS e OFICINAS – “A nossa intenção é utilizar o imóvel para ações abertas ao público, ensaios, cursos e oficinas. Temos um projeto inédito com especialistas. O objetivo é formar pessoas, educando-as musicalmente”, afirma o instrumentista e compositor Letieres Leite, que é maestro da Orkestra. Para o produtor da Rumpilezz, Mauro Rodrigues, a localização do projeto também é fundamental. “O CHS tem representatividade cultural e histórica, além de fácil acesso para alunos”, diz.

No final de janeiro, Littieres e Mauro estiveram no IPAC acompanhados de Tâmara Moreira do Instituto Rumpilezz. Eles conheceram as possibilidades de ocupação e os imóveis. Do IPAC estiveram presentes, o diretor geral do IPAC, João Carlos, o diretor de Projetos, Felipe Musse, e o coordenador de Conservação, Fernando Caldeira. A intenção é que as atividades da Rumpilezz no imóvel do IPAC tenham contrapartidas sociais.

98% do CHS – O parque imobiliário do IPAC detém 226 imóveis. Desses, 181 são do Instituto, e o restante tem donos privados e institucionais. De 226, o IPAC administra a concessão de 403 unidades, cedidas pelo Estado para usos residenciais, comerciais e institucionais. Na área tombada do CHS cerca de 2% estão com o IPAC. O restante de 98% são propriedade de órgãos e secretarias da Prefeitura de Salvador, do governo estadual, de privados e de irmandades e ordens religiosas da Igreja Católica.

A Rumpilezz traz a percussão afro-baiana com influência do jazz, tendo instrumentos de percussão e sopro. Foi vencedora dos prêmios ‘Bravo!’ e da Música Brasileira. Mais informações no site www.rumpilezz.com. Sobre projetos, obras e ações do IPAC no site www.ipac.ba.gov.br. Acesse o facebook ‘Ipacba Patrimônio’ e o twitter ‘@ipac_ba’.