ONGs acusam governo de discriminar gays com veto de vídeo

Sem categoria
13 de fevereiro de 2012
por Genilson Coutinho

Convicto de que houve veto ao filme dirigido ao público gay programado para
ser exibido durante a campanha de aids do carnaval, o Fórum de ONGs de Aids
do Estado de São Paulo decidiu apresentar uma denúncia formal contra o
governo brasileiro em instâncias internacionais de direitos humanos. O
Fórum, que congrega 92 entidades filiadas, anunciou também que vai
apresentar uma representação no Ministério Público para que seja
investigada discriminação e desperdício de recursos públicos, por causa do
cancelamento da produção do vídeo.

“Já está tudo acertado. Só há uma possibilidade de revermos nossa posição:
a veiculação na TV domingo do filme originalmente programado”, afirmou o
presidente do Fórum, Rodrigo Pinheiro. Apresentado semana passada numa
festa organizada no Rio, o filme dirigido ao público gay foi retirado da
internet por determinação do Ministério da Saúde. A justificativa era a de
que o material havia sido feito para apresentação em locais fechados, não
na internet ou na TV. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou que o
vídeo dirigido ao público está em fase de produção. 
“Mais uma vez, ele joga para plateia. Faz festa, tenta agradar e, por fim,
retrocede”, afirma o presidente do grupo Pela Vidda, Mário Scheffer. Para o
movimento social, há quatro evidências que demonstram o veto do governo.
O filme tirado do ar já havia sido apresentado no lançamento da campanha.
“Se não pode na TV, porque poderia numa festa? E o discurso do ministro na
ocasião, todo o clima indicava que aquele vídeo é o que seria veiculado”,
relata Pinheiro. A descrição do filme dirigido para TV em texto divulgado
pelo Ministério da Saúde coincide com o material que foi retirado do ar e
tem formato de 30 segundos e linguagem para grande público, avalia o
movimento. Por fim, essa retirada foi feita sem nenhum tipo de
justificativa pelo Ministério da Saúde.****
O retrocesso é atribuído ao receio do governo – e de setores dentro do
próprio ministério – de contrariar grupos religiosos, sobretudo em ano
eleitoral. O governo quer evitar desgastes como o ocorrido ano passado – e
que rende dor de cabeça até agora – com a distribuição de material contra
homofobia, programado para ser feito pelo Ministério da Educação. “É uma
grande decepção. O governo mostra estar totalmente rendido neste tema a
grupos fundamentalistas e a base aliada. Um passo atrás e, agora, numa área
que o Brasil sempre foi internacionalmente reconhecido pela ousadia e pela
liderança, o combate à aids. Mais do que uma oportunidade perdida, é uma
mancha”, disse o presidente do grupo Pela Vidda.
Scheffer lembra que problema semelhante foi registrado na campanha do Dia
Mundial de Aids. Era esperada uma campanha dirigida ao público gay. Durante
o lançamento, movimento social foi surpreendido com uma campanha feita
sobre preconceito. A escolha de jovens gays como público alvo da campanha
não é à toa: a incidência da aids entre essa população aumentou de forma
expressiva na última década. “E a campanha tem de ser dirigida ao público
em geral. Não adianta veicular em ambientes fechados. Além disso, é piada
imaginar que numa boate todo mundo vai parar para ver a peça”, disse
Pinheiro.
O ministério informou ontem, por meio de sua assessoria, que o calendário
da apresentação de um novo filme está mantido: domingo. De acordo com a
pasta, o filme encontra-se em fase final de produção. O ministério ao longo
dos últimos dois dias recebeu manifestações e pedidos de explicações sobre
o episódio. Nenhuma resposta formal foi apresentada até agora, informou a
assessoria de imprensa. O ministério, ainda por meio da assessoria, disse
que até o fim da tarde de ontem não havia recebido nenhum comunicado do
Fórum de ONGs de Aids de São Paulo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.