Teatro

Sem categoria
23 de agosto de 2013
por Genilson Coutinho

O Diário de Genet – ATeliê voadOR Cia de Teatro

Com texto e direção de Djalma Thürler, o espetáculo é um mergulho no pensamento político das obras de Jean Genet que politiza o sujeito e as práticas abjetas, desloca o centro como o lugar privilegiado e desejado e destaca a marginalidade como estratégia identitária e política. Em cartaz no Gamboa Nova, dias 05,06 e 07 do Setembro é Gayboa, 20h.
Depois de “O melhor do homem” (2010-2013) e “Salmo 91” (2011-2013), a ATeliê VoadOR Companhia de teatro traz a terceira produção do conjunto de peças que batizou de “Trilogia sobre o Cárcere”. Um avanço na compreensão da ideia de cárcere. “Nesta peça abandonamos as grades e focamos nos aprisionamentos culturais, demos as mãos às teorias de Foucault e fizemos a mais política das três peças”- ressaltao diretor, que vem se dedicando a discutir temas ligados a subalternidade.
A montagem teve estreia na Mostra Oficial do Festival de Teatro de Curitiba, cumpriu temporada na Sala do Coro do Teatro Castro Alves, participou da VIII Mostra Latinoamericano de Teatro de Grupos de São Paulo, do VI Festival de Teatro Independente de Santa Maria – RS e também integra a VI Mostra Possíveis Sexualidades.

Serviço
Espetáculo Diário de Genet
Quando: 05, 06 e 07/09/13 (quinta, sexta e sábado)
Horário: 20h
Onde: Teatro Gamboa Nova
Valor: R$ 20(inteira) R$ 10 (meia).
Classificação: 14 anos
Informações: http://atelievoador10.wix.com/atelievoador / http://www.youtube.com/watch?v=eMm7J8bqnAs
Duda Woyda/ Djalma Thürler 3012-1188

Solo Almodóvar com Simone Brault

Dolores é uma travesti. Carismática e performática, canta e conta histórias da sua vida, seus amores e dramas. Este é o enredo do espetáculo Solo Almodóvar, que volta a cartaz em curtíssima temporada, nos dias 13, 14 e 15 de setembro, no Teatro Gamboa Nova. Interpretada pela atriz Simone Brault, a bem humorada personagem é um retrato de inúmeras travestis estigmatizadas e marginalizadas pela sociedade.

A montagem mistura ficção e realidade com sarcasmo, humor e melodrama, traços típicos das obras de Almodóvar, debatendo temas comuns aos LGBTs, aproximando-os com a realidade na Bahia. O espetáculo traz referências de casos verídicos retirados de jornais, site do GGB, entrevistas e do livro “Travesti”, de Don Kulick, antropólogo que realizou uma profunda pesquisa no universo das travestis em Salvador.
“Eu brinco de dizer que Dolores faz ressoar vozes muitas vezes abafadas, já que as travestis sofrem preconceito até mesmo no mundo gay. Como Dolores tem a capacidade de criar empatia com a plateia, achei que utilizar o carisma da personagem dentro da estética de Almodóvar, seria uma ponte bacana para trazer as particularidades desta parcela da população, que é pouco ouvida e respeitada”, diz Simone Brault.
A travesti Dolores foi uma das mais apaixonantes personagens do espetáculo “Como Almodóvar”, que fez sucesso em Salvador em 2007, ao realizar 5 temporadas na Sala do Coro do TCA, Espaço Xisto, Teatro Molière e Martim Gonçalves. Após tantos pedidos do público feitos à atriz Simone Brault, Dolores ganhou vida e espaços próprios e deu-se a criação deste solo vencedor do Edital FCBA 07/2012, do Setorial de Culturas Identitárias da Secult/Bahia.

Serviço
Espetáculo Solo Almodóvar
Quando: 13, 14 e 15/09/13 (sexta a domingo)
Horário: 20h (sex e sab) / 19h (dom)
Onde: Teatro Gamboa Nova
Valor: R$ 20(inteira) R$ 10 (meia).
Classificação: 16 anos
Informações: http://www.soloalmodovar.com.br – Simone Brault (71) 8841-3175

Valerie O’hara em A Alma Encantadora do Beco

O ator Duda Woyda e a transformista Valerie O’harah, através da Cia de Teatro ATeliê voadOR, trazem ao palco do Gamboa Nova, dia 18/09, às 20h, única apresentação do espetáculo de grande sucesso em Salvador, A Alma Encantadora do Beco.

Segundo Djalma Thürler, a montagem é um trânsito entre a pesquisa acadêmica e a cena teatral feita por ele – afinal, o diretor já falava sobre o Beco em artigo publicado sobre a revolução em sua cadeia cultural com os shows de Valerie O’Harah. “Valerie mudou o cenário da Barra que, nas noites de quinta, não é mais a mesma. Seus shows forçaram o comércio a acompanhar a sua dinâmica, os taxistas, os michês, os bares todos, a massagista pilantra, todos saem ganhando, mas ganha mesmo o público, porque a rua tem algo de democrático que o espaço fechado não tem. Qualquer pessoa pode ver, assistir e aplaudir”, completa.
A estreia foi no próprio Beco da Off, cumprindo temporada de outubro a dezembro do ano passado. Depois também vieram as apresentações na Jornada Pedagógica da Uneb, no Festival de Música e Cultura Digital, o Digitália, o Seminário Enlaçando Sexualidades, o Projeto Cultura em Campo da Copa das Confederações e na agenda a participação na VI Mostra Possíveis Sexualidades, dia 29 de setembro.

Serviço
Espetáculo A Alma Encantadora do Beco
Quando: 18/09/13 (quarta)
Horário: 20h
Onde: Teatro Gamboa Nova
Valor: R$ 20(inteira) R$ 10 (meia).
Classificação: 14 anos
Informações: http://atelievoador10.wix.com/atelievoador – Duda Woyda/ Djalma Thürler 3012-1188 91958677

Casulo _Uma outra Versão com Ângelo Flavio

Um relato, no formato de monólogo e com cenas pocket, baseado no original Casulo_Uma Intervenção Trans, criado especialmente para o Setembro é Gayboa, com apresentações dias 20 e 21, às 20h. Esta nova versão promete ser tão apimentada quanto a primeira, apresentada na Estação da Lapa, que apresenta o universo simbólico TRANS.A, com concepção e encenação de Ângelo Flávio.
Mais uma vez o diretor e ator da Cia Abdias do Nascimento, problematiza uma discussão transversal entre direitos humanos, identidade, diversidade, cidadania, afirmação e negação dos gêneros através de uma linguagem que funde ficção e depoimentos verídicos da população LGBTTT.
A fábula conta a história de um cantor de rock que se apaixona pelo seu colega da Banda, no entanto, o parceiro diz que a única forma de ter seu amor é se este fosse uma mulher, quando ele atende o pedido do seu amor, transformando-se em um travesti, causa no parceiro estranhamento e espanto, despertando a discussão sobre a dialética da estranheza.
“Um dos objetivos é despertar o sentimento de cidadania e respeito às diferenças, é dar visibilidade ao discurso da população LGBTTTs, o lúdico vem acompanhado do verídico. É um universo imagético e cheio de poesia, trazendo à cena memórias de pessoas que tem uma ligação direta com o tema”, explica Ângelo Flávio.

Serviço
Casulo_Uma Outra Versão: um monólogo para o Gayboa
Quando: 20 e 21/09/13 (sexta e sábado)
Horário: 20h
Onde: Teatro Gamboa Nova
Valor: R$ 20 (inteira) R$10 (meia),
Classificação: 16 anos
Informações: http://www.youtube.com/watch?v=FJHdeTf_jHY Ângelo Flávio 8882 4601

 Requiém para um rapaz triste e Cerimônia do Adeus

Rodolfo Lima volta a Salvador para apresentação dos monólogos Réquiem para um rapaz triste e Cerimônia do Adeus, inspirados nas personagens femininas do gaucho Caio Fernando Abreu. Nos dias 27 e 28 (sexta e sábado), às 20h e 29 (domingo), às 19h, o público pode acompanhar os dois trabalhos, que acontecem com intervalo de 15 minutos entre um e outro.

Responsável pelo Teatro Do Indivíduo-SP, ele explica que Cerimônia do Adeus veio para dar continuidade a personagem Alice, antes apresentada em Requiém que completa 10 anos em 2013. “É uma mulher solitária e dependente do cigarro, recebe as pessoas em sua “casa” para conversar sobre suas escolhas, a vida, o papel da mulher na sociedade atual e anseios femininos como filhos, casamento e a espera do homem ideal” – comenta Lima.
O público é convidado a rever sua vida e suas escolhas a partir da ótica desta mulher quarentona. Mesmo com o ar melancólico e deprê que a encenação sugere, a personagem acaba tendo uma postura positiva perante a vida. Isso acaba salvando a personagem do julgamento do público – que se identifica imediatamente com seu drama e suas colocações e acaba “respirando aliviado”.
Lima tem em suas produções, a predileção por abordar temas de forma delicada e contundente, sem deixar de se expor, provocar pensamento e proporcionar ao público uma experiência estética e emocional. O Teatro do Individuo – nome de sua companhia solo, que agrega diversos profissionais a cada trabalho – existe desde de 2002 e já produziu: “Réquiem para um rapaz triste”(03), “Todas as horas do fim” (04), “Cerimônia do Adeus” (13) e “Bicha Oca” (09), os três primeiros a partir da obra literária de Caio Fernando Abreu e o último a partir dos contos de Marcelino Freire – ambos homossexuais.

Serviço
Requiém para um rapaz triste e Cerimônia do Adeus
Quando: 27, 28 e 29/09/13 (sexta a domingo)
Horário: 20h (sexta e sábado) 19h (domingo)
Onde: Teatro Gamboa Nova
Valor: R$ 20 (inteira) R$10 (meia),
Classificação: 18 anos
Informações: www.escritossobreaausencia.wordpress.com Rodolfo Lima (11)974974207