Nutricionista dá dicas de como os alimentos colaboram com a estética

Sem categoria
28 de junho de 2013
por Fábio Rocha

 

Palestra “Alimentação e Estética”, da nutricionista Isis Lima, alertou que excesso de café pode contribuir para a aparição de celulites

 

Nas oficinas nutricionais que acontecem mensalmente na Clínica Ravenna, o último tema lotou o auditório ao abordar um assunto central na sociedade de hoje: estética. A palestra Alimentação e Estética foi apresentada pela nutricionista Isis Lima, que mostrou como certos alimentos podem colaborar para retardar o envelhecimento cutâneo, eliminar toxinas, estimular o colágeno, evitar retenção de líquido, fortalecer unhas e cabelos e evitar o ganho de peso.

Uma dica simples, por exemplo, é comer mais tomate, e não economizar no uso de alho e cebola para temperar. O tomate é rico em em licopeno (substância responsável pela sua cor) e betacaroteno (antioxidante). Quanto mais maduro e concentrado, maior a quantidade de licopeno. Pela atividade do licopeno mais o betacaroteno, ele confere uma ação antienvelhecimento, diminuindo a ação dos radicais livres. Já o alho e a cebola são ricos em substancias antioxidantes, em especial alicina e quercetina, que ajudam a bloquear as inflamações no organismo.

Se o objetivo é retardar o envelhecimento da pele, a cor verde pode servir de orientação na hora de ir ao supermercado. Vegetais verdes têm alta concentração de vitaminas antioxidantes, em particular betacaroteno, ácido fólico e magnésio, que combatem o envelhecimento cutâneo. “Devemos procurar usar os mais verde-escuros possíveis, e quanto mais crus melhor, para evitar a destruição  da vitamina C pelo calor”, indica Isis.

Ainda pensando na saúde da pele, outra aliada é a soja. Nela são encontradas proteínas de alto valor biológico e arginina (aminoácido), cuja ação é imunoestimulante, ativando o colágeno. Também como estimulante dessa “fibra da juventude”, estão as frutas cítricas, que são ricas em substâncias antioxidantes, como betacaroteno e vitamina C.

E se é a balança a maior inimiga, uma dica é fazer uso do chá verde. Estudos apontam que o seu consumo inibe a atividade da lípase intestinal (pancreática). Esse efeito se traduz em uma menor absorção de triglicerídeos e colesterol, podendo também acarretar um menor ganho de peso. Pimenta vermelha, alho, cebola, gengibre, cúrcuma, tomilho, canela e orégano, usados crus e ligeiramente picados ou moídos, também podem ajudar na boa forma. Eles têm ação termogênica, ou seja, aceleram o metabolismo de gorduras.

Já os alimentos crucíferos, como repolho, couve, couve-flor, nabo e brócolis contêm substâncias que atuam no crescimento e no fortalecimento do cabelos e unhas. A linhaça em pó, polvilhada na comida, tem ação anti-inflamatória e laxante.

A nutricionista Isis Lima dá carta branca para os chás. “É indicado beber duas a três xícaras de chá verde, hortelã, alecrim, cidreira, e erva-doce sem açúcar, durante o dia. Esses chás têm ação desintoxicante, digestória, anti-inflamatória e calmante. Os polifenóis presentes neles bloqueiam a ação dos radicais livres e agem como antioxidantes”.

A profissional ainda orienta substituir queijo amarelo por queijo tofu. Os fito-hormônios que existem no queijo tofu colaboram para diminuir os sintomas da menopausa e são um ótimo substituto da carne vermelha em vários pratos.

A lista também é grande de hábitos alimentares que devem ser evitados. Isis orienta evitar o consumo exagerado do café, pois, em excesso, pode até favorecer o aparecimento de celulite, além de irritar a mucosa gástrica. “O café, além de ser vasoconstritor, favorece a má circulação, contribuindo com isso para o surgimento da celulite. A dica é substituir pelos chás recomendados. O mesmo serve para as bebidas gaseificadas, que devem dar lugar para refrescos e água de coco”.

Outra recomendação é diminuir o sal no preparo dos alimentos, substituindo-o por ervas (orégano, salsa, alecrim, manjericão, açafrão etc.) ou limão. O sal em excesso contribui para a retenção de líquidos e, em consequência, o aumento da celulite também. No rol dos alimentos que devem ficar longe da dispensa, também estão os  ricos em açúcares e carboidratos refinados, como pão branco, arroz polido, biscoitos e massas com farinha branca.

À vontade mesmo e com indicação de consumo mínimo de três litros por dia, está a água, que ocupa o primeiro lugar no ranking quando o assunto é  desintoxicação.