Natura Lumina lança Sistema de Tratamento para Cabelos Oleosos

In Moda
8 de outubro de 2020
por Genilson Coutinho
Foto: Reprodução internet

Cabelos oleosos requerem tratamento integral, que regula as funções do couro cabeludo, controlando o sebo por mais tempo, sem ressecar os fios ou efeito rebote. Pensando nisso, Natura Lumina apresenta seu novo tratamento para cabelos oleosos. O Novo Sistema de Tratamento para Cabelos Oleosos atua com eficácia no sintoma e na causa da oleosidade, tratando tanto o fio quanto o couro cabeludo.

O couro cabeludo tem papel fundamental na saúde do cabelo. Quando suas funções sofrem alterações e são desreguladas por fatores externos, como excesso de poluição e sujeira, ou internos, como variação hormonal e stress, diversos problemas podem ser originados – entre eles, a oleosidade, que gera um aspecto de sujo ou pesado nas mechas, principalmente na raiz. Outro fator responsável pelo sebo é a genética, já que algumas pessoas possuem metabolismo com maior tendência à produção de oleosidade.

Para o tratamento do fio, com a exclusiva Biotecnologia Pró-teia os produtos preenchem o fio de dentro para fora, dos microporos do córtex à cutícula, na medida exata de cada dano, sem pesar. O resultado é um tratamento de precisão. Já o Ativo Antioleosidade atua no sintoma (tirando a sensação de cabelo pesado e o aspecto de cabelo sujo) e na causa do problema, regulando as funções do couro cabeludo, reduzindo a produção do sebo e fortalecendo seu equilíbrio, aumentando assim sua resistência aos fatores externos e internos.

Assim, o Novo Sistema de Tratamento para Cabelos Oleosos mantém os fios e o couro cabeludo limpos de forma equilibrada, sem oleosidade por mais tempo, leves e saudáveis desde a primeira aplicação.

No lançamento, o Shampoo Equilibrante faz uma limpeza equilibrada por mais tempo, sem ressecar os fios, e também fortalece o equilíbrio do couro cabeludo e evita o efeito rebote. Já o Condicionador Suave garante uma hidratação balanceada, mais brilho e movimento e possui efeito antipoluição.

Deixe seu comentário

Sem comentários, seja o primeiro.