“Namorar um homem trans é um ato político”, diz Ariane Senna

Comportamento, Social
12 de junho de 2019
por Genilson Coutinho

Uma viagem com destino à Fortaleza fez o cupido unir Ariane Senna  e Apolo Oliveira . Os dois viajavam juntos no mesmo ônibus para um encontro de estudantes. Eles viajaram durante o dia, mas ainda não tinham se visto. Só lá pra tantas da noite foi que Ariane o avistou dançando no ônibus com a turma.

“Foi amor à primeira vista e até então nem sabia que ele era um homem trans, mas já estava encantada. Depois de colher essa informação foi só administrar, pois sou muito tímida. Dei o ponta pé inicial e já ficamos namorado na viagem. No retorno passei o primeiro fim de semana com ele”, contou Ariane.

Sobre o amor entre duas pessoas trans, Senna sinaliza que não há diferença. “Sempre namorei homens cis e hétero e vejo com tranquilidade namorar um rapaz trans”.

“Namorar um  trans é um ato político e deve servir como espelho para que outras pessoas trans entenda que é possível amar e ser feliz a nossa relação é uma relação afro transcentrada * . As mulheres trans e travestis não precisam de um homem cis para ser feliz, amor é amor ”, revela Ariane.

A emoção e a paixão de Ariane são perceptíveis até no tom da voz. Viva o amor!

Ariane usou sua rede social para fazer uma declarção de amor.

*Afro Transcentrada – Relação entre pessoas negras e trans que se amam.