Movimentos sociais promovem ato pelo fim da LGBTfobia em Salvador

Comportamento, Social
16 de julho de 2016
por Genilson Coutinho

Um protesto por conta da morte do produtor de eventos Leonardo Moura, 30 anos, lotou as ruas do bairro do Rio Vermelho na noite da última sexta-feira (15), o ato foi organizado para solicitar justiça na apuração do caso do produtor ferido no último sábado que acabou morrendo no Hospital Geral do Estado (HGE) na segunda-feira (11). Enquanto familiares e amigos acreditam que Leonardo foi alvo de uma agressão homofóbica, a Polícia Civil investiga se ele caiu de uma balaustrada na orla – a uma altura de 4,7 metros – e morreu em decorrência dos ferimentos, versão contestada por familiares a amigos presentes no Rio Vermelho.

A manifestação “Chega de LGBTFobia”, teve concentração às 18h em frente a San Sebastian, boate onde Leonardo saiu com o amigo .. A versão da polícia, de que moradores viram a queda de Leonardo, também é contestada por amigos. “Para a gente é impensável essa versão de queda. A polícia está tentando abafar e tirar o foco de um crime de ódio, um caso de homofobia. A família não vai deixar passar e a polícia está cometendo homofobia institucional”, diz a professora Carla Freitas, 34 anos, presente no protesto.

Mais de 800 pessoas participaram do ato finalizado no mercado do peixe com falas dos representantes dos movimentos socais que juntos pediram justiça, união e punição para os criminosos. Este foi uma das maiores manifestações contra a homofobia realizada nos últimos anos em Salvador, reunindo mais de 60 grupos nas ruas Rio Vermelho organizado pelo grupo Mães Pela Diversidade .

Veja a galeria.

Asssista alguns trecho do ato: