Ministério da Saúde lança política de saúde para público LGBT no SUS

Saúde, Social, Tem Direito
5 de janeiro de 2016
por Redação

O Ministério da Saúde aproveitou a 14º Conferência Nacional de Saúde para disparar ações voltadas ao público LGBT. Uma delas foi a assinatura pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, de uma portaria que institui a Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais no SUS.

A assinatura da medida, que consolida recomendações e ações desenvolvidas de forma fragmentária, foi comemorada por integrantes do movimento LGBT, que tinham dúvidas sobre a efetivação dessa pública frente à pressão, principalmente, dos segmentos evangélicos.

O documento fala em aperfeiçoar tecnologias usadas no processo transexualizador, eliminar a homofobia na esfera do SUS, oferecer cuidado à saúde de adolescentes e idosos gays e garantir direitos sexuais e reprodutivos da população LGBT na rede pública de saúde.

Compete ao Ministério da Saúde, por exemplo, a elaboração de protocolos clínicos sobre o uso de hormônios e implante de próteses de silicone para travestis e transexuais.

Padilha comemorou a portaria. “Agora é regra no SUS”, disse, durante bate-papo sobre a vulnerabilidade da população LBGT frente à Aids, na companhia de associações gays, da cantora Preta Gil e de Ziraldo.

Também foi lançada a campanha de 1º de dezembro contra a Aids, este ano focado em jovens gays.

Boletim divulgado esta semana pelo ministério mostra crescimento de novos casos do vírus em meninos homossexuais com idades entre 15 e 24 anos.

“Você é? Ele é. Ela não admite, mas é. E você, é?”, provoca a campanha para a TV, que conclui: “Você é preconceituoso? A Aids não tem preconceito.”

Fechando os anúncios voltados ao público LGBT, foi anunciada uma coleção de selos e uma cartilha de prevenção à Aids, feitas pelo cartunista Ziraldo. Não são focados exclusivamente no público gay, mas fazem referências explícitas a eles.