Maquiador sofre ataque homofóbico no Villa Bahiana em Itapuã

Notícias
2 de novembro de 2017
por Genilson Coutinho

Atualizada em 3 de novembro ás 14h

A noite da última sexta-feira (01), foi de agressão e homofobia para o maquiador Leo Monteiro, no restaurante Villa Bahiana, em Itapuã. Um encontro que seria para diversão terminou em agressões verbais, com palavrões de baixo escalão por parte dos seguranças da casa, que abusaram do dito poder de autoridade com o consentimento do gerente da casa, que nada fez para controlar a ira dos seguranças.

Leo Monteiro relatou o ocorrido ao site Dois Terços:

“Um casal precisou sair antes do final da festa, porque a moça estava passando muito mal e pediram auxílio a um amigo. Na saída, o noivo da moça pediu que o amigo a acompanhasse na porta até que ele pegasse o carro que estava distante e voltasse para buscá-la, o segurança então tratou a todos com hostilidade e agressão. Disse que a saída seria sem retorno e questionou o porquê da moça ter bebido tanto. Ninguém retrucou e o amigo ficou aguardando o noivo da moça voltar com o carro. Ao chegar, o rapaz foi recebido com as seguintes frases por parte do segurança: “Tá me olhando por que, seu pau no cu?” e “Vá tomar no cu, seu viado!”

O amigo então retrucou, alertando ao segurança que todos ali eram clientes da casa e que não deveriam ser tratados assim. O segurança então reagiu: “E você, viado? Está tomando as dores dele? Tomar no cu você é ele!”

O casal foi embora e o amigo ficou à espera do gerente para relatar o ocorrido. Ao encontrar o Sr. Nunes, que se disse responsável pela portaria, relatou o ocorrido e o suposto gerente nem quis ouvi-lo, apenas disse que o cliente estava no lugar do porteiro e que ele deveria voltar para curtir a festa dele e deixar o porteiro em paz. Vale ressaltar que no momento da queixa ao gerente, o porteiro novamente agrediu o cliente e mesmo assim o seu superior não o interpelou em nenhum momento.

A vítima prestou queixa nesta sexta (03), na delegacia de Itapuã e nos órgãos de proteção a comunidade LGBT em Salvador. Até o fechamento desta matéria, não conseguimos falar com os representantes do restaurante.