Linn da Quebrada faz show na 12ª edição do IC Encontro de Artes em Salvador

Música, No Circuito
1 de agosto de 2018
por Genilson Coutinho

Artista multimídia que utiliza a música como mais um meio de luta pela quebra de paradigmas sexuais, de gênero e corpo, Linn da Quebrada tem show agendado em Salvador, dentro da 12ª edição do IC Encontro de Artes, que, de 21 a 26 de agosto, terá como lema “Arte como Luta”. A apresentação da MC acontece no dia 24, às 20h, no estacionamento do Goethe-Institut. Para a abertura do evento, a Daspu desfila sua mais nova coleção, ao som de DJ Dolores, apoiador e criador da trilha sonora do desfile-parada. Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia) e já estão à venda em www.sympla.com.br/ic.

 Linn da Quebrada teve o seu primeiro single, “Enviadescer”, causando barulho pela letra direta e um videoclipe que coloca travestis e corpos feminilizados em posição de destaque. Este seria o principal conceito transmitido por Linn ao longo das próximas músicas divulgadas, como “Talento” e “Bixa Preta”. Em 2017, a artista assumiu mais uma linguagem artística lançando “blasFêmea”, seu primeiro experimento audiovisual, cujos roteiro e direção também são dela. E não parou por aí. Na mesma semana, Linn abriu uma campanha de financiamento coletivo para a produção de “Pajubá”, seu disco de estreia, que teve sua meta total extrapolada e foi lançado meses depois, em outubro de 2017. Atualmente em tour com o álbum, dentro e fora do Brasil, Linn vem se destacando também no cinema nacional, onde apareceu duas vezes em 2017: no longa “Corpo Elétrico”, de Marcelo Caetano, e no documentário “Meu Corpo é Político”, de Alice Riff. Em 2018, voltou às telonas com o elogiado doc “Bixa Travesty”, de Kiko Goifman e Claudia Priscilla, premiado no Festival de Berlim, e que chega ao Brasil via Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.Nos shows, Linn da Quebrada é acompanhada pela produtora musical BadSista, a cantora e persona Jup do Bairro, a percussionista Dominique Vieira e o DJ Pininga.

 A Daspu, criada em 2005 pela prostituta ativista Gabriela Leite com Lourdes Barreto, do movimento organizado de prostitutas no Brasil, nasceu como uma grife de moda que pudesse funcionar como um dispositivo cultural e artístico para dar visibilidade e sustentabilidade às ações da ONG Davida. Com a repercussão gerada pela sua proposição, acabou se tornando uma política cultural que dialoga com as questões relacionadas ao corpo no embate entre sexualidade, cidade, prostituição e direitos humanos. Para a Daspu, o encontro com Linn integra um afeto importante para o movimento de prostitutas e para a sociedade pois reúne duas potências que usam o corpo como manifesto artístico e político. Prostitutas e ativistas da Rede Brasileira de Prostitutas (RBP), da Associação de Prostitutas da Bahia (APROSBA) e da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA) participam do ato.

 O IC12, realizado pela Dimenti Produções Culturais, tem apoio financeiro do Estado da Bahia, por meio do Edital de Eventos Culturais Calendarizados.

 Linn da Quebrada (SP), Daspu (SP) e DJ Dolores (PE)

Quando: 24 de agosto (sexta), 20h

Onde: Estacionamento do Goethe-Institut Salvador-Bahia

Quanto: R$ 20 e R$ 10

Ingressos à venda em: www.sympla.com.br/ic

Classificação indicativa: 18 anos