Lésbicas disputam na Justiça filho gerado em barriga de aluguel

Sem categoria
29 de fevereiro de 2012
por Genilson Coutinho

Gisele, uma enfermeira de São Paulo, tenta há quatro anos provar na Justiça que é mãe de seu filho. Anos atrás, ela e sua companheira, Amanda, também enfermeira, decidiram ter uma criança por fertilização in vitro. Gisele cedeu os óvulos, que foram fecundados com o esperma de um doador anônimo. A companheira gestou o bebê.

Só que a relação acabou e Amanda se tornou evangélica. E esconde – literalmente – a criança dela. A ponto de Gisele ter visto o filho em dezembro somente após entrar com um mandado de busca e apreensão.

Gisele já entrou com ação pedindo reconhecimento de maternidade, mas o juiz a julgou improcedente. Hoje, ela tem direto apenas a visitas regulares. Sua advogada entrou com pedido de reversão de guarda, que foi negado, e ainda corre uma ação com pedido de guarda compartilhada.Com  informações  do jornal “Folha de S.Paulo” e os nomes são fictícios, pois o caso corre em segredo de Justiça.