lei antigay: Banco Mundial suspende empréstimo a Uganda

Sem categoria
6 de março de 2014
por Genilson Coutinho

O Banco Mundial postergou um empréstimo de 90 milhões de dólares (210 milhões de reais) destinado a Uganda, depois da aprovação de uma lei no país que torna mais duras as penas contra gays. O dinheiro seria destinado ao sistema de saúde local. “Adiamos o projeto para realizar uma revisão mais aprofundada e assegurar que os objetivos de desenvolvimento não serão afetados de forma adversa pela implantação da nova lei”, disse o porta-voz da instituição, David Theis, ao jornal britânico The Guardian.

O presidente de Uganda, Yoweri Museveni, assinou a lei no início desta semana. O texto impõe pena de prisão perpétua para condenados por praticar sexo homossexual e torna crime não delatar alguém que está fora da lei. A homossexualidade já era considerada ilegal no país.

Normalmente, o Banco Mundial se afasta de questões políticas internas para evitar oposição de algum dos seus 188 países membros. No entanto, o presidente da instituição baseada em Washington, Jim Yong Kim, enviou um comunicado aos funcionários dizendo que o banco é contra discriminação. Acrescentou que a lei de Uganda não é um caso isolado, uma vez que 83 países criminalizam a homossexualidade e em mais de 100 há discriminação contra as mulheres. O comunicado diz que a questão será discutida nos próximos meses dentro da instituição. “Agora é o momento certo para esta conversa”, diz o texto, segundo o Guardian.

O Banco Mundial ainda tem projetos em Uganda que somam 1,5 bilhão de dólares. O país é um dos mais pobres do mundo e o dinheiro iria para programas voltados à saúde materna e de recém-nascidos e ao planejamento familiar.

O adiamento da ajuda ao sistema de saúde ocorre depois de os governos de Noruega, Dinamarca e Holanda anunciarem que estão retendo as doações ao país – o apoio a ONGs, principalmente aquelas que defendem os direitos humanos, será ser mantido. Os Estados Unidos, maior integrante do Banco Mundial, disse estar revendo suas parcerias com a nação africana e ameaçou também suspender a ajuda.Com informações da Veja