“NAMÍBIA, NÃO!” dirigida por Lázaro Ramos, a peça discute o racismo sem perder o bom humor

Sem categoria
14 de março de 2011
por Genilson Coutinho

“Namíbia, não!” tem argumento provocador ao abordar, sem tentar resolver o assunto, uma situação hipotética: o ano é de 2016 e o governo brasileiro obrigou que todos os afrodescendentes regressem imediatamente à África, provocando, em pleno século XXI, o revés da diáspora vivida pelo povo africano do Brasil escravocrata.

Salvador sediará a primeira montagem do texto de Aldri Anunciação, também ator da peça. Justo a capital mais negra do Brasil resolveu retomar o tema, mas discutindo-o com bom humor, pois esta, segundo sua equipe, é uma das melhores formas de se chegar ao coração das pessoas.

Namíbia, não! desperta a atenção pelo tema, mas também pela equipe. Além do já citado Aldri Anunciação, a peça tem a atuação de Flávio Bauraqui – ator de sólida carreira no cinema brasileiro e vários papéis em novelas e minisséries da TV Globo. Flávio é gaúcho, está há 18 anos radicado no Rio de Janeiro, e assumiu morar em Salvador durante a temporada.

A direção geral é do ator Lázaro Ramos. Egresso do Bando de Teatro Olodum, Lázaro, que dirigiu um único espetáculo infantil na vida, encara agora o desafio de coordenar uma equipe de teatro adulto, mas se sente absolutamente seguro na função. Para assumir a direção, conta com o apoio de dois assistentes de direção: no Rio de Janeiro, a atriz baiana Ana Paula Bouzas, e, em Salvador, o ator Caio Rodrigo, que é ainda um dos produtores executivos do projeto.

A trilha sonora é assinada por Arto Lindsay, compositor multifacetado e de carreira internacional, mas que debuta em composições para teatro. As fotos são assinadas por Sandra Delgado, esposa do ator Wagner Moura. Enfim, Namíbia, não! chega a Salvador repleto de nomes competentes. É esperar que a montagem encante a muitos e torne o ambiente fecundo às reflexões.

Foto: Divulgação

SERVIÇO:

O quê: Namíbia, não!

Onde: Sala do Coro

Quando: 18 de março a 1º de maio, sexta a domingo, às 20 h.

Ingressos (inteira): R$ 20(de 18 a 27 de março);
R$ 30 (de 1º de abril a 1º de maio)