Jovem é agredido dentro de universidade e leva 26 pontos: “Me chamavam de viado”

Comportamento, Social
23 de março de 2015
por Genilson Coutinho

agressao

O estudante de publicidade e propaganda Antonio Carlos Archibald, 23 anos, é mais uma vítima de homofobia. Com cortes e 26 pontos no rosto, ele alega ter sido agredido pelo namorado de uma colega na última sexta-feira (20), depois de uma discussão por silêncio em sala de aula, dentro da Unicep, em São Carlos, São Paulo.

Segundo Archibald, em entrevista ao site A Capa, o agressor, a namorada dele e outros dois rapazes referiram-se a ele como “viado” e que ele merecia apanhar.

A confusão começou quando ele pediu para a colega Nathalia Carozelli parar de conversar em sala de aula e uma discussão tomou conta da sala. “Ela começou a fazer um escândalo, me chamou de viado e me deu tapa no rosto. Também a xinguei e, quando ela veio me dar outro tapa, eu a empurrei e ela caiu no chão. Todos ficaram contra mim, mas o professor conseguiu conter”, declarou Antonio.

Já em casa, ele recebeu um telefonema da coordenação do curso dizendo que a jovem queria pedir desculpas e que o aguardava juntamente com a coordenadora. Mas ao chegar, ele encontrou três rapazes, que também estudam na universidade. “Fui me aproximando e eles chegaram até mim. O namorado dela, Gabriel Peixe, atirou a minha cabeça contra a parede, que é feita de vidro. Me chamava de viado e me agredia, enquanto os dois me impediam de fugir”.

Antonio afirma que nunca se envolveu em nenhuma briga e que não pensou em reagir.

Após sofrer a violência e ser deixado no chão, ele viu os agressores fugirem. O estudante registrou um boletim de ocorrência e irá fazer outro nesta segunda (23), para incluir o nome dos agressores. “Quero essas pessoas sejam no mínimo expulsas da faculdade e que o cara que me agrediu pague criminalmente, pois ele é um criminoso. O que ele fez comigo pode muito bem fazer com outras pessoas”.

A Unicep emitiu uma nota dizendo que desaprova qualquer tipo de violência dentro e fora das dependências. E que está dando “todo o suporte ao aluno ferido, bem como à sua família” e que está “tomando todas as devidas providências no caso”. Os agressores não foram localizados para comentar o caso.

*Com informações do site A Capa.