Jean Wyllys diz que não se arrepende de cuspida em Jair Bolsonaro: ‘Um acúmulo de anos de assédio moral’

Comportamento, Social
13 de abril de 2019
por Genilson Coutinho

Jean Wyllys – ‘Conversa com Bial’ na Europa — Foto: TV Globo

Jean Wyllys foi entrevistado para o Conversa com Bial na Europa. O ex-deputado do PSOL decidiu sair do país e morar no exterior devido a ameaças de morte. No programa, o ativista relembrou o episódio em que cuspiu no rosto do então deputado federal Jair Bolsonaro, em 2016, durante votação no processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseffem plenário da Câmara.

O escritor baiano assumiu que o momento foi uma espécie de “transe”. “Naquele momento, naquela hora, foi a reação que eu tive”, lembrou.
“Era um acúmulo de tudo… de anos de assédio moral, de violência contra mim, de xingamentos sem que as pessoas reagissem, de uma naturalização daquela violência que ele praticava, de ele tratar minha homossexualidade como um meio de me difamar.”
Jean Wyllys ganhou notoriedade no cenário nacional ao ganhar a quinta edição do reality Big Brother Brasil, em 2005. Envolvido na luta dos movimentos LGBT, negro e de mulheres, ele foi eleito deputado federal, pela primeira vez, em 2010 e reeleito quatro anos depois.

O político foi reeleito para o terceiro mandato em 2018, mas renunciou ao cargo em janeiro de 2019 e se mudou para a Europa devido a ameaças de morte. Como parlamentar, Wyllys foi autor de projetos como o da criação de campanha para conscientização e enfrentamento ao assédio contra as mulheres. Em 2015, ele foi escolhido como melhor deputado pelo Prêmio Congresso em Foco.