Irmandade homofóbica com raízes nazistas está sendo investigada no Piauí

Sem categoria
5 de março de 2014
por Genilson Coutinho

Proprietária de um salão de beleza, Socorrinho, de Teresina, no Piauí, foi surpreendida na última sexta-feira por um bilhete colado em seu carro, e não era uma multa de trânsito. No bilhete, a seguinte mensagem: “morte aos homossexuais. Irmandade homofóbica. Afilie-se” e um número de celular para contato. Em cima do bilhete uma suástica que deixa clara a ligação com o pensamento ideológico nazista.

A empresária emprega diversos funcionários homossexuais, travestis e lésbicas em seu salão de beleza. “Uma das funcionárias faz parte do grupo LGBT Matizes, ao tomar conhecimento do bilhete foi tentado no mesmo dia entrar em contato com o proprietário do bilhete. A funcionária disse que na primeira tentativa um homem atendeu e desligou a chamada, após este episódio não é mais possível entrar em contato com o número”, diz Marinalva Santana, presidente do Grupo Matizes, que já entrou com um requerimento na delegacia que investiga casos homofóbicos em Teresina.

“Falei com o delegado ainda hoje, 27 de fevereiro, e ele disse que já está dando andamento à parte burocrática da investigação e vai pedir para a companhia telefônica responsável pelo número de celular para descobrir qual CPF cadastrado na linha”, explica Marinalva.

Assassinatos
Marinalva também diz que nos últimos dois meses houve pelo menos três casos de assassinatos de homossexuais em Teresina. “Em dois casos eram gays e existem semelhanças. E no terceiro caso, que foi uma travesti, ela foi brutalmente violentada e teve afundamento do crânio.” Ela denuncia que a polícia investiga de forma errada os casos. “Eles sempre seguem uma linha errada de investigação. Nós sabemos que são casos homofóbicos, um crime de ódio, mas sempre enquadram estas mortes como latrocínio ou com vínculo com prostituição ou tráfico de drogas.”

“Não sabemos se realmente existe uma ‘Irmandade Homofóbica’, mas é preciso investigar profundamente estes últimos casos para saber se existe alguma relação entre eles. É sabido que nos casos dos dois gays mortos, ambos foram vistos antes do crime com um cara conhecido na cidade como Rambo”, diz Marinalva.

Impunidade
Há três anos um grupo de jovens de classe média alta de Teresina foi indiciado e preso por crimes de ódio contra gays. “Eles agrediram alguns homossexuais com tacos de golfe. Mas como são de classe média alta, a polícia acabou os soltando por suas influência na região. Isso não pode acontecer”, faz outra denúncia a presidente do grupo Matizes.

Do Mixbrasil