IPEC promoveu mesa redonda sobre diversidade sexual , em Salvador

Notícias
12 de maio de 2016
por Genilson Coutinho

INSTITUTO PROFISSIONALIZANTE DE EDUCAÇÃO E CAPACITAÇÃO realizou no dia 11 de maio de 2016, no Salão de Convenções da Fundação Visconde de Cairu, a II Mesa Redonda de Diversidade, intitulada “A Invisibilidade de Travestis e Transexuais no Mercado de Trabalho”. O evento contou com a presença na mesa de: Ariane Senna, Coordenadora da ATRAÇÃO e Conselheira de Ética da ANTRA, Keila Simpson, Coordenadora Geral da ATRAÇÃO, Vice Presidente da ABGLT e Presidente ANTRA, Margot Azedo, Sócia Diretora da Véli Brasil, Diretora Executiva da Véli Bahia, Vice-Presidente eleita da ABRH BA e Pietro Akin Franco, militante do movimento negro e do IBRAT/BA. Mediação realizada por Théo Meireles, profissional de comunicação da Rádio CBN Salvador. A Diva Dion Santtyago, como sempre disponível e grande ativista da comunidade, marcou sua presença, contribuindo com performance musical emocionante. O evento foi prestigiado, também, por grandes nomes do movimento LGBT baiano, como: Inês Silva – Coordenadora Estadual do Grupo Mães Pela Diversidade foi homenageada pelo dia das mães e por todo trabalho desenvolvido nos últimos tempos, Ailton Santos do CEDAP, Gésner Braga, entre outros.

Em sua palestra Keila Simpson salientou que a Invisibilidade de Travestis e Transexuais acontece no mercado formal de trabalho, mas nas madrugadas das cidades são aceitas para favores sexuais e fica muito visível. Completou sua fala dizendo que o mesmo cliente que as procura, não aceita vê-las trabalhando em um balcão de farmácia, em uma loja ou em outro tipo de atividade além da prostituição.

A vice-presidente da ABRH/BA, Margot Azevedo, demonstrou interesse em ampliar o debate junto às empresas e ficou acordado que acontecerão reuniões em conjunto com o IPEC para traçar estratégias com está finalidade.

O professor, diretor geral do IPEC e idealizador da Mesa, Marcelo Pacheco, homenageou Keila Simpson, oferecendo o título da Madrinha da Mesa Redonda da Diversidade Sexual, que será agenda permanente do Maio da Diversidade da empresa.  A madrinha participará da construção de temas de relevância social e cidadã para serem desenvolvidos, inclusive propondo nomes para compor as futuras mesas.

Marcelo Pacheco fez análise conclusiva do dia e relata com grande satisfação à adesão, também, do público externo a comunidade LGBT em prestigiar o evento diz, ainda, que o ambiente acadêmico tem a responsabilidade de promover a cultura de reconhecimento da pluralidade das identidades e dos comportamentos relativos às diferenças, garantindo a inclusão, promoção de igualdades, enfrentando o preconceito, discriminação e violência.