Independence gay: balizas fazem a festa da comunidade LGBT no 2 de Julho

Notícias
1 de julho de 2018
por Genilson Coutinho
baliza

Foto: Genilson Coutinho

Uma das festas cívicas mais importante para os baianos, a Independência da Bahia, que completa 195 anos nesta segunda (02), costuma mobilizar a população de Salvador, que acorda cedo para acompanhar a saída do Caboclado do bairro da Lapinha.

A participação de Salvador na luta pela independência do Brasil do domínio português será o tema dos festejos do Dois de Julho deste ano. Além do ato cívico, protestos de movimentos socais e a presença  de políticos e autoridades, o percurso do cortejo tem uma série de desfiles de escolas, bandas.

E a comunidade LGBT não fica de fora desta festa da cultura baiana. Os shows das balizas gays costumam ser uma atração a parte, que seguem arrasando na frente das fanfarras com grandes performances, roupas coloridas e muito close e carão para delírio da comunidade LGBT que se concentra no famoso “Beco da pipoca do cantor Saulo”, local assim identificado durante o Carnaval a partir das 15h. (Nos bares do Lugar Comum )

O que abre e fecha no feriado da Independência da Bahia ; confira

A passagem das balizas já entrou para o calendário da comunidade LGBT, que espera  o cair da tarde para se concentrar, entre uma cerveja e uma paquera. A reunião já virou tradição do “independence gay”.

No 195º ano da Independência, quando o tema “Luta pela Paz”, fanfarras de seis escolas municipais de Salvador, formadas por 555 alunos, irão se apresentar, além das já tradicionais manifestações populares durante o cortejo do Dois de Julho..

No dia 2 de julho (segunda), ápice das comemorações, uma alvorada com queima de fogos na Lapinha, às 6h, abre a programação da data. Às 6h30, tem inicio a celebração religiosa do Te Deum que, este ano, vai homenagear a arquiteta e historiadora Socorro Martinez, autora do livro “2 de Julho: a Festa é História”.

Às 7h30, será realizado o hasteamento das bandeiras por autoridades, com a execução do Hino Nacional pela Banda de Música da Marinha do Brasil, com a presença do prefeito ACM Neto, do governador da Bahia, Rui Costa, do presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Ângelo Coronel, e do presidente do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB), Eduardo Morais de Castro.