III Encontro Enlesbi promove visibilidade lésbica e de mulheres bissexuais em Salvador

Notícias
28 de agosto de 2015
por Genilson Coutinho

lesb

De 30 de agosto a 01 de setembro acontece em Salvador, no Grande Hotel da Barra, o III Encontro de Lésbicas e Bissexuais da Bahia – ENLESBI.  Apreendida como ação de promoção e defesa da cidadania e direitos humanos das lésbicas e mulheres bissexuais, o ENLESBI se caracteriza como espaço de formação, de construção coletiva, participativa e colaborativa de políticas de afetividade e bem viver resultantes do diálogo entre os segmentos de lésbicas e mulheres bissexuais, academia e Estado  Orientado pelos princípios e estratégias feministas de fortalecimento e autonomia das lésbicas e bissexuais no Estado da Bahia, o ENLESBI contribui com o processo de produção e disseminação de informações, discussões com foco nas problemáticas referentes aos processos históricos de visibilidade das lésbicas e mulheres bissexuais. A programação conta com rodas de conversa, oficinas, exposições, painel de experiências e a II Caminhada da Visibilidade de Lésbicas e Mulheres Bissexuais da Bahia.

O III ENLESBI é uma ação das políticas de Gênero e políticas LGBT focadas no combate à Violência contra mulheres, Lesbofobia, Racismo e LGBTfobia, e na promoção da Saúde integral com ênfase nas mulheres Bissexuais e no enfrentamento DST,HIV, AIDS e hepatites virais, no Bem Viver, conforme demandas apresentadas pelas organizações lésbicas da Bahia nas Conferências Estaduais e Nacionais, de Políticas para as Mulheres, Politicas LGBT e Saúde . Essa ação fomenta, em especial, a criação de redes de solidariedade, produção e difusão de conhecimentos relevantes para o referido segmento. Entende-se que os conhecimentos produzidos pelas organizações de lésbicas e mulheres bissexuais são fundamentais para subsidiar as políticas públicas com foco no Bem Viver da população LGBT. Nessa perspectiva, o III ENLESBI se apresenta no cenário LGBT da Bahia como uma ação formativa de educação para a diversidade e cuidado de si, ao tempo que se apresenta como um espaço de mapeamento de vulnerabilidades e potencialidades do segmento de lésbicas e mulheres bissexuais.

A abertura da ação política acontece justamente com a II Caminhada, no dia 30 de agosto, domingo, com a concentração no Farol da Barra às 15h. Essa atividade tem o intuito de denunciar o cenário de violência e vulnerabilidade a eu estão submetidas as lésbicas e mulheres bissexuais. Mas a caminhada também vem celebrar a visibilidade das vivências, seus corpos e seus afetos comemorando o dia 29 de agosto, Dia Nacional da Visibilidade Lésbica. “Queremos poder, dignidade e respeito! Rumo à II Caminhada da Visibilidade de Lésbicas e Mulheres Bissexuais da Bahia, porque LESBIANIZAR E RACIALIZAR É PRECISO! ” afirma Amélia Amaraux, coordenação do evento e vice-presidenta do Conselho Estadual LGBT da Bahia. Na noite do dia 30, às 19h teremos a roda de conversa de abertura “EnLesBi em Cena: História e Memória” e das exposições Lelia Gonzalez (DIADORIM/UNEB), Margaridas Africanas (LBL/RS) e EnLesBi (Fórum ENLESBI).

Já na segunda-feira, dia 31 de agosto, o encontro traz as rodas de conversa “Lesbianidades e Feminismos: refletindo sobre nossas teorias e práticas” às 8h e logo após, às 10h, “A arte do bem Viver– refletindo sobre os Impactos da lesbofobia, racismo, sexismo, machismo, heteronormatividade e sororidade feminista no corpo das lésbicas e mulheres bissexuais.” Na parte da tarde, acontecem os painéis de experiências sobre a “História e Memórias das Organizações Lésbicas”. Terminando o segundo dia de programação, o debate será sobre: “Juventude e ancestralidade: um diálogo Intergeracional” às 20h.

Abrindo o último dia de atividades, às 8hs, a primeira roda de conversa do dia vai tratar sobre Educação para diversidade: “somos da educação e não toleramos violência!”, seguida pela discussão, às 10h, sobre “Autonomia e Mundo do Trabalho”. Na parte da tarde, teremos as oficinas temáticas simultâneas sobre educomunicação, com Naiara Leite, saúde Lésbica: cuidado de si e ginecologia autônoma, com Emanuelle Góis e Elaboração de Projetos, Orçamento e Captação de Recursos, com a CESE. No final da tarde, às 17h, a conversa que vai amarrar todas as discussões realizadas entra na roda falando sobre a “Auto-organização das lésbicas e mulheres bissexuais: Tecendo o FÓRUM ENLESBI E O SENALESBI Tecendo o IV ENLESBI”. E para finalizar os trabalhos, contaremos com o Xirê das Pretas para confraternizar, lesbianizar e bissexualizar.