‘Igreja é homofóbica, cheia de medo e ódio’, diz padre gay afastado pelo Vaticano

Notícias
14 de outubro de 2015
por Genilson Coutinho

Sacerdote católico há 17 anos, o polonês Krysztof Charamsa, de 43 anos, causou alvoroço dentro e fora do Vaticano após se declarar homossexual e apresentar seu companheiro, o catalão Eduard Planas, em Roma.

Para o anúncio, o padre escolheu uma data estratégica: dia 3, véspera do início do Sínodo de Bispos, reunião em que líderes da Igreja Católica discutem, até 24 de outubro, questões relacionadas à família.

Em entrevista à BBC Brasil, ele defendeu o anúncio naquele momento por acreditar que “um sínodo que quer falar da família não pode excluir nenhum modelo familiar. Homossexuais, lésbicas e transexuais têm direito ao amor e a construir famílias”.

Charamsa também tornou público seu “Manifesto de liberação gay”, no qual pede o fim da discriminação de pessoas homossexuais por parte da Igreja Católica.

Charamsa se declarou homossexual e apresentou seu companheiro, o catalão Eduardo, na véspera do Sínodo de Bispos (Foto: Liana Aguiar)

Após o anúncio, o padre Charamsa foi afastado de seu trabalho como funcionário da Congregação para a Doutrina da Fé (o antigo Santo Ofício, cuja função é promover e tutelar a doutrina da fé e da moral em todo o mundo católico), em que também era secretário-adjunto da Comissão Internacional Teológica. Além disso, foi demitido das duas universidades católicas em que dava aulas, em Roma.

Apesar das consequências imediatas, afirma que sente aliviado. “Sou um padre gay e estou feliz em poder dizer isso abertamente”, declara nesta entrevista, concedida em um hotel em Badalona, perto de Barcelona, na Espanha. Confiara  entrevista completa na pagina da BBC Brasil aqui.