Gastronomia

Notícias

iFood aposta em educação para transformar a vida dos entregadores

Genilson Coutinho,
27/12/2023 | 12h12
iFood Decola_Foto Paulo Barros

Com mais de 250 mil entregadores ativos, o iFood tem clareza do seu papel para impactar positivamente a trajetória de vida dessas pessoas. Partindo dessa premissa, a empresa oferece a estes trabalhadores – por meio de sua área de Impacto Social – programas educacionais que visam melhorar a sua jornada como entregador, aprimorar as suas habilidades profissionais e/ou pessoais e até mesmo apoiá-los na busca por diferentes oportunidades, utilizando a profissão como trampolim social. Dentre estas iniciativas estão o iFood Decola e o Meu Diploma do Ensino Médio.

Criado há pouco mais de dois anos, o iFood Decola é uma plataforma educacional gratuita disponível a todos os entregadores cadastrados no iFood e que oferece mais de 100 trilhas de conhecimento. Somados, os cursos on-line totalizam 60 horas de aulas sobre temas como educação financeira, empreendedorismo, formas de potencializar os ganhos na plataforma, segurança no trânsito e no trabalho, dentre outros. Desde a sua criação, em 2021, foram fornecidos mais de 290 mil certificados de conclusão para mais de 140 mil entregadores, sendo mais de 240 mil certificados só em 2023. Destes, 148 mil são referentes ao curso Primeiros Passos para Decolar, que prepara o profissional com tudo que ele precisa saber para realizar a atividade de entrega com excelência. O objetivo agora é chegar a 400 mil certificados em 2024.

Lançado em 2022, o Meu Diploma do Ensino Médio – projeto que oferece bolsas de estudo para preparar entregadores para o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (ENCCEJA) – registrou, este ano, mais de 14 mil inscritos. Destes, 8.300 realizaram a prova, o que representa 2,3% de toda a população que fez a prova no país e crescimento de 500% em relação ao ano passado. “Esses percentuais nos orgulham muito e mostram o potencial do impacto que podemos gerar. Isso nos motiva a fazer mais e melhor todos os dias para atingir o nosso desejo de ter 100% dos entregadores que atuam na plataforma com o ensino médio completo”, celebra Fernando Martins, diretor de Impacto Social do iFood. 

Atualmente, pouco mais de 70 mil profissionais cadastrados na plataforma não concluíram o ensino médio. Para aqueles que finalizam os estudos pelo programa e querem continuar sua jornada de formação, o iFood oferece até 80% de bolsa nos cursos superiores da Faculdade das Américas (FAM). O curso online e totalmente gratuito é realizado em parceria com a Termine seus Estudos e conta com aulas de reforço, simulados e suporte para dúvidas até a realização da prova, que é presencial. E para estimular a realização do exame, o iFood oferece ajuda de custo para o dia da prova para aqueles que a fizerem, uma iniciativa para compensar uma eventual diminuição na renda. 

“Como uma empresa genuinamente brasileira, que conhece profundamente os desafios do país, nós acreditamos que a educação é o principal vetor de transformação social. A esta crença, soma-se a nossa escala. Temos o potencial de impactar mais de 250 mil pessoas, além dos seus familiares. Ao mesmo tempo em que isso é muito poderoso, é também uma grande responsabilidade. Responsabilidade que abraçamos e que transformamos no propósito de todo o time: alimentar o futuro do mundo com educação”, destaca Fernando Martins. 

Sobre a área de Impacto Social do iFood

A área de Impacto Social, lançada pela plataforma em 2023, tem como objetivo reforçar o olhar da companhia para a valorização e o desenvolvimento de seus parceiros, incluindo entregadores/as e estabelecimentos. Com a educação como o principal pilar para promover mobilidade social, a área também visa entender os problemas sociais e raciais enfrentados no ecossistema – em especial pelas pessoas que entregam pelo iFood – a fim de desenvolver iniciativas que reduzam desigualdades e transformem vidas. 

Para isso, o iFood traçou metas ambiciosas: formar e empregar 25 mil pessoas de públicos sub-representados e de baixa renda em tecnologia e empreendedorismo, além de incentivar a Educação Básica, impactando 5 milhões de pessoas. 

Liderada por Luana Ozemela (vice-presidente), a área desenvolve programas que impactam positivamente a trajetória desses profissionais, seja em suas jornadas diárias de trabalho, no aprimoramento de suas habilidades profissionais e/ou pessoais ou na busca por diferentes oportunidades. A área também promove iniciativas que valorizam esse profissional, tais como assistência à saúde, apoio jurídico e psicológico em casos de agressão, seguro em casos de acidente e descontos em lojas e farmácias, entre outros. A diretoria realiza ainda programas de capacitação para os estabelecimentos parceiros, apoiando-os no crescimento do negócio.