Homofobia – ódio dos homossexuais

Sem categoria
5 de abril de 2011
por Genilson Coutinho

Apesar de toda a liberação dos costumes, os gays ainda são hostilizados por boa parte da sociedade. Por que persiste ainda tanto preconceito contra a homossexualidade? Para alguns isso estaria ligado à noção de que a homossexualidade está em ascensão e que, se não for refreada, poderá ameaçar a unidade familiar e a estrutura da sociedade como um todo.
Outro motivo seria a convicção de que a maioria dos homossexuais não se controla sexualmente. Um temor mais sutil é que a aceitação cada vez maior da homossexualidade faça com que o papel do homem seja menos claramente definido, o que tornaria mais fácil aos garotos o caminho para se tornarem gays.
Entretanto, é provável que a razão mais significativa da hostilidade dos homens heterossexuais seja o temor secreto dos próprios desejos homossexuais. Muitos heterossexuais reagem como se temessem ser contaminados em contato com gays. Isso despertaria enorme angústia em muitos homens, pois desencadeia neles uma tomada de consciência de suas próprias características consideradas não “masculinas”, como a passividade e a sensibilidade, que eles consideram um sinal de fraqueza.
Muitas vezes o heterossexual sente que tem de proteger sua masculinidade de uma contaminação imaginária, reagindo de forma agressiva ou até atacando o homossexual. Um homem seguro de sua orientação heterossexual, sem necessidade, portanto, de perseguir o ideal masculino, integra os vários aspectos de sua personalidade, não sentindo a exigência desse tipo de reação.
Caso seja assediado por um gay, deixa claro, de forma tranquila, que não tem interesse num encontro homossexual, sem que isso impeça o prosseguimento da relação de amizade, se for o caso. Porém, o que mais se observa é o homem heterossexual afirmar que se isso acontecer com ele, não há dúvida: arrebenta, quebra ou mata o homossexual em questão. A homofobia serve também para o heterossexual deixar claro para os outros que ele não é homossexual.
Na nossa sociedade, os meninos aprendem desde cedo que não devem ter qualquer tipo de contato físico com homem. As amizades masculinas são raras, se restringindo geralmente a encontros em grupo ou competições esportivas. O abraço entre dois homens é pouco frequente e o afeto é manifestado no máximo com aperto de mão ou tapinha nas costas.
Nada melhor para ilustrar a homofobia e a hipocrisia da sociedade em que vivemos – na qual a maioria das pessoas defende os direitos humanos – do que a frase de Leonardo Matlovich, soldado da Força Aérea Americana condecorado por sua atuação na Guerra do Vietnã e expulso da corporação em 1975 por homossexualidade: “A Força Aérea me condecorou por matar dois homens no Vietnã e me expulsou por amar um.”
Trecho do livro A Cama na Varanda, de Regina Navarro Lins

Doutora Rigina cedeu gentilmente esse texto para nossos internautas .