Homofobia começa em casa

Sem categoria
16 de janeiro de 2012
por Genilson Coutinho

Número de mortes de gays em Minas cresceu 16% em apenas um ano

Na noite do primeiro dia do ano, um estudante universitário de 20 anos, da região do Vale do Aço, foi atacado com socos e golpes de cinto em seu rosto. O agressor foi sua própria mãe, ao descobrir que o rapaz era homossexual. “Ela chorou e disse que eu tinha destruído a vida dela. Ficou com uma ira que eu nunca vi e disse que eu ia morrer”, contou o aluno de administração, que acaba de entrar para uma estatística de preconceito e intolerância.
Os casos de violência motivados pela orientação sexual de um membro da família não são raros. Um levantamento feito pelo Centro de Referência da Cidadania LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais Travestis e Transexuais) do Rio de Janeiro mostra que grande parte dos homossexuais que sofrem agressão é vitimada no ambiente familiar. Dos 5.070 atendimentos realizados pela entidade, entre julho de 2010 e julho de 2011, 22,4% se tratavam de agressões sofridas em casa, sendo pais, mães e outros parentes os principais autores dos ataques.
Em Minas Gerais, não há estatísticas sobre o assunto, mas o coordenador do Centro de Referência pelos Direitos Humanos e Cidadania LGBT da capital, Carlos Magno, avalia que o dado é preocupante. “É preciso ter uma ação urgente para mudar isso”, afirmou.

Acostumada a atender homossexuais em situação de vulnerabilidade, a psicóloga Dalcira Ferrão explica que uma agressão homofóbica sofrida dentro de casa pode ter consequências ainda mais graves para a vítima. “A pessoa fica sujeita a depressão, isolamento social e até suicídio”, explicou.
A primeira atitude tomada pelo jovem universitário depois de apanhar da mãe foi sair de casa. “Peguei R$ 100 emprestados com minha irmã e voltei para Belo Horizonte”, contou. Ele disse que não quis acionar a polícia e nem foi ao médico, apesar dos hematomas que teriam ficado no peito e no rosto. A mãe, segundo ele, tomou as chaves do apartamento onde ele morava na capital e os cartões de crédito. “Foi uma humilhação emocional grande”, disse o estudante.
Procurada pela reportagem, a mãe não quis comentar a versão do filho. “Não tenho nada contra a escolha. Mas aceitar (a homossexualidade do filho) depende da minha religião”, disse ela.
O episódio familiar é um dos lados de uma realidade de intolerância presente em Minas Gerais. Balanço do Grupo Gay da Bahia (GGB) revela aumento no número de assassinatos de homossexuais no Estado: 18 gays foram mortos em 2010, enquanto 21 foram assassinados no ano passado. O aumento foi de 16%. “A homofobia é tão impregnada que há mães que preferem que o filho seja bandido ou morra a ser gay”, avalia o antropólogo Luiz Mott, fundador do GGB. O levantamento refere-se apenas a assassinatos.
Veja aqui um bate papo do jornal com o jovem agredido

Por que aconteceu a agressão?
Minha mãe descobriu que eu sou gay, acabou me espancando e me colocando para fora de casa.
Como ela descobriu que você é homossexual?
Eu estava em casa usando a internet. Fui atender o telefone e, quando voltei, minha mãe tinha mexido no meu computador. Ela tinha visto as mensagens que troquei com meu atual namorado.
Como ela te agrediu?
Me bateu com um soco na cara e com o cinto no meu rosto. Tentou me enforcar e fiquei horas sem água, sem comida e sem poder ir ao banheiro.
Ela trancou você em casa?
Não, mas me impediu de sair. Ficava me vigiando o tempo todo.
O que ela lhe disse?
Ela me mandou ler a Bíblia em voz alta para ela ouvir, me humilhou, me xingou, disse que eu ia morrer e que só sairia da casa dela para o cemitério. (RRo)

Fonte: O tempo